https://www.poetris.com/
Sonetos : 

CONFINAMENTO

 
Tags:  SONETOS 2020  
 
CONFINAMENTO 

Eu ora bocejo; ora m'espreguiço,
E tento não pensar no que receio.
Como pudesse estar de todo alheio
Ou senão bem distante de tudo isso.

Logo, porém, s'escuta o rebuliço
De vozes findando o meu recreio.
Nem mesmo a solidão que vão pleiteio
Parece m'evitar tal desserviço.

Assim, não há trabalho nem descanso,
Apenas uma espera desmedida,
Entremeada de dúvidas e ranço. 

O tempo hoje faz mais parte da vida
E justo quando mais desesperanço
Eu conto ao coração cada batida.

Betim - 23 03 2020


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
54
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.