https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Frémito cobarde

 
Tags:  vida    poemas    introspeção  
 
So de sair a rua,
O aproximar das frases engloba o que não se soletra,
E fica apenas implícito nas indecências semânticas das pessoas,...

Atrai-me ver como de um facto se extraem consequências para tantas vidas,
E a rotina de repente encardece,
Fica vulgar,
Com as pessoas a ansiar por libertadores que da mudez façam teorias sociais,
À prova de bala,....

Nada disto encontro na escrita,
Por isso tenho para mim que os cobardes dão bons romancistas,
Expelem o frémito possível de si próprios

 
Autor
pleonasmo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
386
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
2
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 08/06/2020 19:25  Atualizado: 08/06/2020 19:25
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1976
 Re: Frémito cobarde
Espera lá, e os poetas dão o quê?
lol!!!!
O primeiro terceto dá-me um nó (adoro pá).
"...a indecência semântica das pessoas..." levar as letras à letra é um berbicacho. Totozices (é com Z?).

A segunda estrofe tem uma acidez que quase me queima, ainda bem que sou à prova de bala um pouco também (enquanto me deixarem ser)

Gosto da tua força.
Gosto das tuas elipses (fico à nora acredita!) que me sabem tão bem.
Ler e reler.
E invejar.

Abraço irmã\o