https://www.poetris.com/
Poemas -> Surrealistas : 

Fonética

 
Tags:  vida    poemas    surrealistas  
 
desamparadamente,
caem-me os impossíveis,
as frases sem cês de cedilha,
e os ditongos emudecidos,
os que melhor exprimem a volúpia,..

não recupero a forma,
nem o conteúdo das imperfeições,
só me fazem esperar
tanto,
e tanto tempo pelo
que me dás em troca,
e nada surge,
nem o restolho do desprezo a que
me habituaste,...

e já lá vem o crucifixo do olhar,
já que depois de renegar o impossível,
comprometi-me com
o desprezo aos lados
inúteis da criação

 
Autor
pleonasmo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
115
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
2
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 13/07/2020 07:51  Atualizado: 13/07/2020 07:51
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1905
 Re: Fonética
Decisões.
Ai, ui...
ditongos da volúpia.

Tomar a decisão de "...renegar o impossível..." é um pouco fantasiosa. Poética, vá. Lugar-comum contudo.

Mas lugares comuns têm de ser explorado, dissecados, secos, colocados ao sol, na lareira, ler as fatias translúcidas.
"desamparadamente..." começas com o advérbio de modo, a meter "-mente..." ao barulho.
Saindo do silêncio desta maneira até o meu nome que tem um cê de cedilha caiu, o pobre não-coitado.

Desfeito, o sujeito poético fica deformado e desconteúdado (adoro inventar palavras e iniciar erros), ainda assim esperando algo,
talvez o usado "...restolho do desprezo..." há um certo masoquismo nesta estrofe.

A resposta que a última estrofe sugere vive cheia de moralismos, ou de precisão, dependendo de como for "...o crucifixo do olhar...", grande metáfora por sinal.

Há tanto de inútil na poesia que torna-se ar, que só sentimos a falta, quando não há.

Obrigado, mais uma vez, pela inspiração.
Senti a tua falta.

abraço irmã\o