https://www.poetris.com/
Sonetos : 

Ouro de tolo

 
Tags:  destino    falsidade    aliança    Penhor  
 
Open in new windowOuro de tolo

Um dia foi ao banco com intento
Em fazer um penhor da aliança
Que era a sua ultima lembrança
Que restava do seu casamento

O ourives então disse para ela
Esse material tem pouco valor
Não podemos pegar em penhor
Do ouro só tem a cor amarela

Nesse momento se desesperou
Do que ela recebeu nada prestou
Pois tudo foi somente falsidade

A vida para ela sempre foi essa
E o destino só lhe pregou peça
Em uma vida toda de infelicidade

jmd/Maringá, 28.07/20


verde

 
Autor
João Marino Delize
 
Texto
Data
Leituras
38
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.