https://www.poetris.com/
Poemas : 

Subitamente

 
Há dias que esqueço meu próprio nome e sou apenas aflição
Não vejo onde estás e tento não respirar para não sentir dor
A noite segue em sua ilusão como quem perde a noção de si
Subitamente a lua cheia flutua no céu desnudada das nuvens
Um quê empalidecida, um quê ausente na dor desse silêncio

A obviedade da paisagem não pressentida lateja como castigo
Sempre esteve ali, diante das janelas mudas dos meus erros
Não há mais crenças nem as raízes do que um dia já vivemos
Desfaço o mobiliário do olhar e resta tua sombra mortificante
Abandono imagens, hábitos e memórias e sei que nada aprendi

As horas me engolem tal areia movediça em meio a noite alta
Assusta-me o que não sei e os cômodos vazios me confundem
Em um vislumbre tua imagem nua surge e escapa de meu ser
Mergulho meus lábios no infinito oceano do teu último beijo
No abismo da minha súplica construo um mundo impossível

Debato-me entre meus dilemas, mesclo as soluções, emudeço
Movo-me sombrio entre extremos na indizível ânsia de voar
Abandono os argumentos previsíveis que brotam como úsnea
O imprevisível refaz a memória do amor com que sonhamos
Por fim, para que me cobices, quando me tocas já não estou.


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
190
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Mr.Sergius
Publicado: 28/01/2021 14:40  Atualizado: 28/01/2021 14:40
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade: Luxor (Egito) / काठमाडौं (Nepal)
Mensagens: 1333
 Re: Subitamente
Voar ao contrário apenas para relaxar
Open in new window