https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

AR-201204

 
.
.
.
"Todas as manhãs brilhavas;
eras somente alvorecer..."
E de repente és só dor que
não te sabem de onde vens
a ferir tão pungentemente...
Cega, ensurdece, emudece
calando a voz do poema,
omitindo a melodia do refrão...
Não há mais cantos matinais,
vibrações nas cordas do violão,
chilrear dos pássaros tampouco.
Silêncio; apenas um soluço rouco,
dissipando-se de mim aos poucos...
Do leito, se vê, através da janela
quão abrangentemente explode
o amanhecer sob todo olhar...
Não pusesse à prova o cenário;
certamente denominariam-me
velho senil, poeta ou louco.

 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
332
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
3
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Erotides
Publicado: 04/12/2020 20:47  Atualizado: 04/12/2020 20:47
Da casa!
Usuário desde: 26/02/2020
Localidade: BRASIL
Mensagens: 416
 Re: AR-201204
Não quero acordar com um soluço rouco. O que o outro sente também está me ferindo


Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 06/12/2020 14:03  Atualizado: 06/12/2020 14:03
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade:
Mensagens: 3978
 Re: AR-201204


Poético sentimento de tanto silêncio em canção
no chilrear dum poeta

um abraço poeta Zé Silveira