https://www.poetris.com/
Épicos : 

LII - O genioso fidalgo Dom Quixote da Mancha

 
Tags:  cordel    quixote    cervantes    cavalaria    Paródia  
 

LII - Quinquagésimo segundo episódio que trata do retorno de Dom Quixote ao seu calmo vilarejo da Mancha

No estado em que ficou
Dom Quixote mal podia
subir em seu Rocinante
e por isto não subia
ficando neste impasse
com a sua montaria

O barbeiro e o padre
aproveitando o ensejo
criaram uma estratégia
que forçava o andarejo
a retornar sem demora
pra seu calmo vilarejo

Levariam Dom Quixote
transportado em charrete
numa jaula de madeira
sem poder pintar o sete
Um anão que contrataram
aceitou fazer o frete

Avistando a carreta
recordou-se D. Quixote
da história conhecida
do guerreiro Lancelote
e foi isto que bastou
pra iludir o velhote

Inquirindo a este anão
que estava na boléia
quis saber se por ali
tinha visto Dulcinéia
quem sabe se passeando
entre as faias em aléia

O anão disse que estava
indo para a fortaleza
justamente onde morava
a referida princesa
e naquele mesmo dia
a veria com certeza

O anão ainda disse
que ele querendo ir
ao lugar mencionado
teria que ali subir
e ficando enjaulado
a viagem prosseguir

Sancho disse a Quixote
que se fosse ajuizado
nunca aceitaria ser
na carreta enjaulado
pois o povo o teria
por bandido condenado

Dom Quixote concordou
que seguir aprisionado
bastaria a um guerreiro
pra ficar envergonhado
arriscando-se a deixar
o seu nome deslustrado

Entretando por receio
de julgar mal a questão
ia ter que desprezar
os alertas da razão
pra seguir aprisionado
na charrete do anão

Como estava para ver
Dulcinéia de Toboso
por estar apaixonado
nada era tão custoso
pois provaria depois
quanto era valoroso

Sem receios embarcou
na charrete o velhote
pensando que repetia
a trama de Lancelote
mas era tudo encenado
pra levarem D. Quixote

Foi nesta carreta que
retornou ao povoado
e na praça onde chegou
num domingo ensolarado
todo povo ali presente
viu Quixote enjaulado

Pois enquanto desfilava
entre o povo na pracinha
um rapaz já foi correndo
avisar sua sobrinha
que o tio em uma jaula
como prisioneiro vinha

Quando Quixote chegou
fraco e emagrecido
a sobrinha e a criada
lamentando o ocorrido
maldizeram os romances
que o fidalgo tinha lido

Chegando também na casa
a mulher do escudeiro
mostrou-se preocupada
com o jumento primeiro
antes de saber de Sancho
se trazia algum dinheiro

Reclamou abertamente
quanto já tinha sofrido
de saudades que sentia
na ausência do marido
Sancho explicou a ela
o que tinha acontecido

O barbeiro e o padre
foram então encarregados
de juntar rapidamente
livros e assemelhados
pra numa grande fogueira
serem no pátio queimados

O fidalgo em seu leito
pela criada tratado
apresentando a melhora
seria mais vigiado
por causa dos desatinos
que já tinha praticado

Mas vendo ele na cama
com a dor a lhe afligir
a sobrinha do fidalgo
começou a refletir
que passariam dez anos
sem o tio querer sair

Essa história continua
em versões outras e várias
mas o mais interessante
é buscar fontes primárias
o que só pode ser feito
com pesquisas necessárias

FINIS
 
Autor
CarlosAle
Autor
 
Texto
Data
Leituras
151
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.