https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens sobre esperança

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre esperança

O Deus Que Habita Em Mim!

 
O Deus Que Habita Em Mim!
 
O Deus que habita minh'alma,
Vem da aurora dourada
Com seus raios vivificadores
Que renovam as Esperanças e a Fé
Para um novo dia...

Vem dos lírios dos campos e
Dos jardins floridos...
Vem do crepúsculo do Sol com
Seu espetáculo de cores douradas
No horizonte...

Vem da noite enluarada
Com suas estrelas brilhantes,
Reluzentes, estrelas cadentes
E sua Lua encantada...

O Deus que habita minh'alma,
Vem do divino orvalho
Da madrugada
Com suas gotículas prateadas
Caindo sobre as flores delicadas...

Vem do lindo azul do mar,
De toda à natureza,
Das matas verdes e igarapés,
Cachoeiras e do lindo
Canto dos passarinhos
Como o canto do rouxinol e
Do bem-te-vi...
Vem dos Salmos de Davi....

O Deus que habita minh'alma
É o Deus do Amor, da mística rubra flor,
Do peregrino e trepidante beija-flor,
Dos nobres sentimentos
E enlevados pensamentos...

Vem da chuva que faz brotar...
Vem do místico arco-íris
Com suas cores sutis...
Vem da melodia
Da inspirada poesia...

Enfim, o Deus que habita em mim
É o mesmo que está em toda parte,
Em tudo e em todos,
No meu e no teu coração,
Somos filhos da mesma criação,
Do mesmo Pai Criador,
Portanto, somos todos Irmãos,
Filhos do Amor!

Elias Akhenaton
 
O Deus Que Habita Em Mim!

Parabéns amiga

 
Parabéns amiga

Parabéns querida amiga
Obrigada por existires na minha vida
Parabéns pela tua beleza partilhada
Por tua imagem e juventude irradiadas
És vida, és alegria, és a esperança de cada dia
Pela alma sempre ardente dessa amizade
Pelas palavras que sempre tens para comigo
E nessa separação de um oceano inteiro
Onde as ondas te trazem até mim
Na brisa maritima que me susurra o teu sorriso
Nas bonitas nuvens que posso contemplar
Por gostares de mim e principalmente de ti
Gosto muito de ti assim
Linda na beleza da tua natural existência
És um caminho de Deus em aberto
E me concedeste a honra de ver esse caminho
Até ao teu coração eu sempre sigo
Para sentir essa alegria que me faz feliz e
Por tu fazeres parte de minha vida
Eu te desejo que sempre sejas feliz
Obrigada amiga querida
Obrigada Janna

Eureka/Maria
 
Parabéns amiga

PEDRAS GELADAS

 
PEDRAS GELADAS
 
 
São nas pedras geladas
Que te escrevo com alma
No chão onde fiquei
Onde me deixaste esquecida
De mim ou de ti
Nada ficou além de imensos vazios
Amor vivido com intensidade
No meu coração feito em prisão
Corrompido pelas pedras frias
Entrego-me à vida perdida
Pelas ruas de fragas frias
Minto se disser que não sofro
Nesta amputação imposta
Deste sonho quase como pesadelo
Para secar-me a esperança desejada
Maldita dor, maldito amor, maldita vida
Malditas estas pedras frias
Que me deixaste sozinha
Onde escrevo com todo meu fervor
Todas as madrugadas para te tentar esquecer.

🌹
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
PEDRAS GELADAS

Que me importa?!

 
Que me importa?!
 
QUE ME IMPORTA?!

Que me importa que seja tarde?
Que esteja à mercê da vida
A mercê da saudade?!
Que me importa que me achem louca varrida?
Ando à mercê!
Deste tempo que me deprime, me faz sofrer
Aqui, onde anoitece e só eu vejo, ninguém mais vê
Aqui onde a esperança já não quer acender.

As horas vão passando!
E eu no assento me remexendo
Nesta viagem louca, mansamente caminhando
Ou dando caminho à Vida e nela me perdendo.

A quem importa se trago o coração cheio ou vazio?!
A quem importa que a noite que adensa me traga frio?
Que me importa se as lágrimas que chorei secaram
Ou se me esquecem até os que me amaram?!
A Vida quebrei! Estilhacei!
Quero lá saber se os cacos juntarei...
Ou voltarei a juntar!
Se ninguém vai saber, nem perguntar.

Cerro os dentes, calo a voz
Só eu e a melancolia no portal da minha porta,
esta me faz companhia, se senta comigo,
Estamos sós!
A Vida nos pôs de castigo.
Não me importa, já nada me importa.

Na garganta me ardem os gritos
Sufocados, p'la solidão desesperados
Já lhes ouço o eco, dentro de mim aflitos
Que me importa? Pois que fiquem também eles a um soluço confinados.

rosafogo
 
Que me importa?!

A criança. A vida. A candura...

 
A criança. A vida. A candura...
 
Como é bom ter uma criança...
Em seu esplendor!
Seja como for.
Não pode faltar amor!
Senão ficam tristes descolorindo
Seu mundo de sonhos.
Sonhos: sonhados,
Não percebidos por sua inocência.
A criança. A vida. A candura...
A ternura de ser inocente
Compara-se ao bailar das folhas
Tocadas pelo vento...
Ao nascer do sol, ao brilho das estrelas,
No desabrochar das flores – um rebento!
Impetuoso perfume da vida...
No sabor dos doces, mesclados de carinho.
Tê-las ou não tê-las no seu ninho?
Um sorriso divino – valioso tesouro,
Renova a esperança - inspira confiança!

Guarulhos, 08/11/2014 – Mary Jun
 
A criança. A vida. A candura...

Há a Palavra

 
Há a palavra
Embutida no vazio,
Castrada do sentido
E mergulhada
Na cegueira.

Há o gesto simples
De ternura
Na fé oca e dura,
Pérfida na dualidade
Dos jogadores.

Há o engano
E a artificialidade
No lirismo insonoro
Na composição
Intrigada de reticências.

Há as bocas abertas
De espanto,
A consternação aflita
E o prurido que morde
A face, no esconderijo.

E há a Palavra
Viva e capaz,
O verso perfeito
Que espera em silêncio
A sua hora…
 
Há a Palavra

LENTAMENTE ME DESPI

 
LENTAMENTE ME DESPI
 
“Ao teu lado existe beleza, tu és minha maior riqueza”

Ângela Lugo

-----------------------------------------------------------

POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
LENTAMENTE ME DESPI

AVIVANDO

 
AVIVANDO
 
AVIVANDO

Hoje avistei pássaros na árvore do quintal.
Faziam barulho e as folhas balançavam.
Caíram muitas pela grama.
Bateu uma onda de felicidade...
Acho que estavam se amando.
O trepidar que faziam entre as folhas, dizia-me: estamos vivendo...
Sorri.
Acho que invejei os pássaros...
... seu canto, sua alegria, suas asas....
 
AVIVANDO

Abandono-me nas palavras

 
A escrita é a minha última fuga de silêncio
Já não tenho as horas a roer-me a solidão
Nem o tempo a velar por mim

A mesa está posta e tu não vieste
Ninguém apareceu nem os pássaros mortos
Que habitam dentro de mim
As flores continuam alegres, algumas rasgaram-se,
Permanecem quietas junto dos remendos
Onde colo a minha sombra

Abandono-me nas palavras
E cravo nas veias a juventude dos livros
A passearem-se diante da cegueira
Diurna dos meus olhos

Carlos Val – pseudónimo literário de Conceição Bernardino
 
Abandono-me nas palavras

Quero-te renascida… flor imperial

 
Quero-te renascida… flor imperial
 
Imagem retirada da Google

Perco-me no labirinto
desse jardim que é só teu
toco cada flor delicada
Sinto o aroma inebriante
acariciando a minha pele
sedenta de querer sorver…
mergulho nas pétalas orvalhadas
sem medo dessa flor singular
refrescando a alma olvidada
hidratando o âmago do meu viver

Quero-te renascida… flor imperial
ao afago das minhas asas
do meu zumbido sideral
que importa
se é Outono, Primavera ou Verão
se o vento vive em tempestade
ou se adormece em exaustão
que importa os maremotos
os terramotos, a destruição
quero-te vibrante, colorida
nesse jardim universal
nesse solo arado pelo pranto

Rogo aos Deuses do além
chuva incandescente e mágica
inundando os caules arqueados
desse jardim perdido no nada

Escrito a 27/10/08
 
Quero-te renascida… flor imperial

Despertam rios nos teus olhos

 
Toca o clarim da vida…
Ao longe debanda a passarada
Já a aurora se insurge
Nos céus, um sol de alvoradas

Há vozes feitas de cânticos
No ar, um latir safado
Há lírios nos meus encantos
Crianças às gargalhadas

Despertam rios nos teus olhos
Azuis, de água marejada
É benta feita de luz
Remanso da minha alma

Maria Fernanda Reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Despertam rios nos teus olhos

Um Novo Capítulo II

 
Um Novo Capítulo II

Adeus, pela última vez.

Me vou, de vez eu vou embora
Em frente, sem olhar para trás
Tudo já foi bem pensado
Com um só resultado

Eu estou indo ver outras paragens
Sorver essas milhentas aragens
Que me irão fazer renascer

De nada adianta insistires
Já se gastaram todos os perdões
E caso não saibas, os encontrões
Com que fizeste tua vida a me dar

Nos olhos levo pauzinhos a abri-los
Não vás tu me tentar iludir de novo
Vou deixar a cidade e mudar de rio
Esse meu destino é escolha minha

Por uma vez, não irás mais mandar
em todas as minhas razões e ideias
que as décadas passaram tão rápido
e apenas tu comandaste essas rédeas

Vou embora com o espirito livre e
Vou dançar todo o tempo que me apetecer
Com a música aos gritos
Vou voar no trapézio alto de um jardim

E daqui a nada já chego ás estrelas
Ansiosas de me conhecer e brilhar
Já reservei o meu poiso na querida Lua
E tirando o chapéu ao Sol me despedi

Falta-me ir beijar e abraçar o meu Tejo
Que me deu tantas telas mágicas
E agradecer-lhe por todas as nuvens
Passageiras de chuva muito necessária

Adeus, estou partindo e vou em frente
Estou indo pela última vez, vou

Fuuiiiiiiii

Figueira da Foz, 2 Outubro 2016

Maria
a que se cansou de ser flor e se deixou fazer semente
num outro lugar junto a um rio que corre para o mar.
 
Um Novo Capítulo II

A menina da trança (dedicatória a amiga de infância)

 
A MENINA DA TRANÇA

Ergue os olhos ao Céu
Seu rosto é como o tempo que lhe resta
Vive, nela uma faúlha de esperança
Que algum bem estar ainda lhe empresta.
De criança?
Resta apenas a lembrança!
O calor do Sol que a cobria e aquecia
Lembro esta menina da trança
E a fome que às vezes com ela trazia.

Só a saudade no tempo ficou
Tempo que não se apieda de ninguém
Quanto tinha, quanto lhe levou
Vive mastigando solidão. aqui e além.
Há-de partir tal qual chegou
Levando suas mãos a abanar
Amou, sofreu, chorou
Deixa para trás o Sonho por sonhar.

Assim se lhe vai acabando a Vida
Mas para ela já tudo é indiferente!?
A quem importa se está de partida?
A quem importa o que ela sente?

E a menina da trança
Trancou tudo na lembrança!
Será que esqueceu nossa amizade?
Aqui na minha solidão a recordo com saudade
Dobro a saudade cuidadosamente.
Para não se perderem as gargalhadas
Que ouço constantemente
Nas brincadeiras «às apanhadas».

rosafogo
 
A menina da trança (dedicatória a amiga de infância)

Como criança

 
Como  criança
 
O sol já se foi.
Aqueceu o globo terra
Numa esfera! Que...?
Não sei, até aonde.
Só sei que foi assim,
Bem aqui - pertinho de mim
Acalorou...
Minha pele,
Minha alma enfim!

À noite chegou.
A lua despontou lustrando
Tudo. Lindo firmamento
Estendido de estrelas...
Sua luz despertou em mim
Um sentimento de paz,
Um lindo momento
Que veio junto à esperança
De repente vi-me como criança!

07/07/2017
Mary Jun

Imagem Google

PS.: Queridos perdoe-me a ausência na suas paginas,estou sem poder digitar. Tendinite, ficarei ausente. Felicidades! Beijos
 
Como  criança

A TRISTEZA...

 
A TRISTEZA...
 
“Pode a tristeza partir o coração,
mas quando existe a esperança
haverá sempre razão”

Ângela Lugo
----------------------------------------------------------

POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
A TRISTEZA...

SEMEIA, POETA, SEMEIA!

 
SEMEIA, POETA, SEMEIA!
 
 
SEMEIA, POETA, SEMEIA!

by FatinhaMussato

Semeia, poeta, semeia!
Semeia idéias, palavras e versos,
como o jardineiro semeia sementes...
Pois é dos versos semeados por ti,
que nascerão o amor e a esperança!

Sentirás n'alma
o preço do teu semear...
Dores do parto do amor,
da fé que em ti habita,
pois a sentes em teu interior!

Ensina o homem a amar,
a ter esperança, a confiar,
transmita em teu versejar,
a certeza de um mundo melhor!

As dores do teu semear,
um dia serão compensadas,
pelo reflorir da esperança,
pelo voltar da alegria,
pelo despertar do amor!

Poema INÉDITO Nesta Data
São José do Rio Preto (SP), 29/Janeiro/2010 - sexta-feira - 10h00m.

PS: A imagem ilustrativa homenageia o amigo poeta José Luis Lopes.

Imagem: NET

Música: Stolen Kiss / Ernesto Cortazar
 
SEMEIA, POETA, SEMEIA!

NESTE SONHO QUE ME INVADE

 
Neste infinito de emoções
Neste universo onde flutuo
Neste sonho que me invade
A cada instante
Sigo na estrada da esperança
Ao encontro de ti.

Nesta teia de emoções
Neste turbilhão de sentimentos
Que se cruzam e nos absorvem
Viajamos neste sonho
Dentro das emoções
Que o sustenta
E me faz voar…
Neste universo de cumplicidade
Onde o amor flutua em nós…
Onde voamos
Nas asas do sonho
Nas nuvens do nosso sentir
Na galáxia…
Das nossas emoções.

Pudera eu ser
Pássaro veloz
Vento que fustiga forte
Mas que nunca perde o norte
Para junto de ti
Me levar…
E juntos voarmos
No céu azul infinito
E num sussurro
Num grito
O nosso amor…consumar.

Gil Moura
 
NESTE SONHO QUE ME INVADE

SER FELIZ É....

 
 
Gostaria que você sempre se lembrasse de que,
Ser feliz não é ter um céu sem tempestade,
Caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas,
Relacionamentos sem desilusões.

Ser feliz é encontrar forças no perdão,
Esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas,
E se tornar, um autor da própria história,
E agradecer a DEUS a cada dia pelo milagre da vida!

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos,
É ter coragem para ouvir um (NÃO)
Jamais desista das pessoas que amam você.
Jamais desista de ser FELIZ!
 
SER FELIZ É....

“Os sorrisos dos meninos”

 
“Os sorrisos dos meninos”

Sorriso vai e sorriso vem
e como me faz tanto bem

Amo os seus sorrisos
sorrisos lindos a crescer
idéias sempre a desenvolver
mentes brilhantes prometendo
mudar a Vida e o Mundo

Eu acredito nesses sorrisos
todos eles farão o futuro
quem sabe ainda no meu tempo
eles continuarão a ser o Sol
que me aquece em cada Inverno
e que me renova a alma
a cada ano na Primavera
com o tempo a aquecer
a crescer e a descobrir a Vida

Nascem e chegam puros
todos esses lindos sorrisos
vão crescendo sem nada que os detenha
e eu aqui olhando, revendo, vendo crescer

Quantas amizades, reconhecimentos
eu quero ter sempre nesses sorrisos
eles se tornaram parte de mim
agora e sempre crecendo e amando
os sorrisos desses meninos queridos

E com um inequívoco sorriso eu sempre os recebo,
a convidar para que fiquem também sorrindo comigo
dando e recebendo sorrisos todos os dias, e sempre.

Maria
No Valsassina à tarde, 7 de Março de 2018
 
“Os sorrisos dos meninos”

muros do esquecimento

 
Já não pousam os pássaros
nesta árvore de ramos nus
nem os sonhos têm encontro
marcado
neste pedaço de vida
aprisionado...sem luz!
Só uma solidão altiva
ameaça precipitar-se
sobre quem sonhou outrora,
e vem agora sorrateira
enfeitar-lhe o rosto
rasgar-lhe a pele
num amargo fel.

Embora seja só uma réstia
de esperança
há-de habitar-lhe sempre
a mente uma lembrança,
irá colher... uma a uma
com paixão
e se um dia ficar sem nenhuma
morrer-lhe-à o coração.
A memória será espelho partido
pássaro solitário,silencioso,
será o silêncio depois das palavras
será a ausência sobre todas as coisas
ganhas e perdidas,
sol misterioso,
que se esconde atrás das nuvens,
vestígios de vivências estremecidas.

natalia nuno
rosafogo
 
muros do esquecimento