https://www.poetris.com/
Poemas : 

OLHAR CONGELADO

 
.
.
.
A morte espreita-me por detrás da minha porta, silenciosa, furtiva, e tão segura está de entrar, que sorri.

A morte espreita-me há horas, e mais cedo ou mais tarde vai adentrar e, arrebatar-me-á envolvendo-me com seu negro véu.

Arrastar-me-á, e, através do vórtice macabro viajarei às profundezas...
Sei, pois não me prometeram céu...
Não suplicarei pois não sei se há, mesmo assim; não deixarei que entre ainda.

Previno-me tapando as frestas do tempo, com o tempo, acordado das não mais meninas dos olhos, agora senis senhoras que cochilam o tempo todo, e sem vigília, expõe-me...

A morte espreita-me, e eu a ela.
Tenho a lua minha amante que também espreita-me e afugenta a morte com seu luar.

Pela veneziana da janela vi mais uma noite passar em claro.
Vivi,
mas o olhar; congelado...

 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
91
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Erotides
Publicado: 26/07/2021 02:02  Atualizado: 26/07/2021 02:02
Colaborador
Usuário desde: 26/02/2020
Localidade: Brasileira
Mensagens: 1382
 Re: OLHAR CONGELADO
.
Os olhos agora são senhoras que cochila
A lua amante que te mantém vivo
Gostei.