https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

alusões a Marroquinaria

 
A mala comigo vem,
para todo lado a mala
junto ao meu pulso
presa, leve.
A mala, com o teu nome:
palavra, grito inscrito, gravado, impresso
no alfabeto antigo do livro
que traz a mala consigo.
a mala nos sonhos, nos passos, no começo,
até ao fim, a mala: presente
sem fecho, aberta, escura, dura, de pele.
A mala
até ao infinito das coisas.
A mala fantasma, biblioteca que visito,
em que vasculho, tiro e ponho, guardo.
A mala comigo é a mala,
vê-se,
exibo-a, exibe-se, ganha cão.
Estranha trela este meu braço,
de pelo como a mala,
perene como a mala,
útil como a mala,
eu usá-la como
a mala.

A mala sempre...


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
226
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/08/2021 15:22  Atualizado: 07/08/2021 15:22
 Re: alusões a Marroquinaria
Interessante e inteligente jogo de palavras. Um poema de amor intenso, envolvente. Pressente-se um bom momento que se atravessa na vida, fica-se cúmplice da felicidade que flui no poema.
Adorei o final:)

Obrigada.
Bom fim de semana