https://www.poetris.com/
Sonetos : 

XILOGRAVURA

 
.
.
.
pelas mãos, profundos sulcos,
riscos fortes de oriundo tempo.
rugas, marcas cravadas na face,
disfarces visíveis em relento...

sem glórias e tempestades, véu
assim se vai abruptamente, vida,
sem rol, freios, barreiras e laurel;
morte inconsequente impreterida.

inspiração, lâmina, lápis, papel,
traços inequívocos em relevo;
gravando em celeste o teto, céu.

surge a obra, à posteridade vai
recordando sentires em cortes;
um poema sob ponta de cinzel.

 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
164
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 17/08/2021 16:57  Atualizado: 17/08/2021 16:57
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17344
 Re: XILOGRAVURA
Poeta
Penso que o tempo, com seu ensino aprimorado, seja como uma arte de xilogravura em nossa pele, em nossa vida! Belo soneto para reflexão!
Parabéns!
Abraço!
Janna