https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

bem me parecia que mal parecia

 
bem me parecia
que havia margens sem rio
que havia fome e que havia fastio
e que uma língua de sabor almo
não havia

pois eu
tão de bruma tão larvar
tão inutilmente calmo
tão levianamente calvo
tão vinicolamente alvar
eu tão sempre eu

só para mim cumpria
a tradição sandia
dos mortos sem cova
a prova salaz
de ser incapaz
de esconder uma trova

 
Autor
benjamin
Autor
 
Texto
Data
Leituras
219
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
6
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Abissal
Publicado: 28/10/2021 11:21  Atualizado: 28/10/2021 11:21
Super Participativo
Usuário desde: 27/10/2021
Localidade:
Mensagens: 139
 Re: bem me parecia que mal parecia
Gostei da leitura.


Enviado por Tópico
Abissal
Publicado: 28/10/2021 11:21  Atualizado: 28/10/2021 11:21
Super Participativo
Usuário desde: 27/10/2021
Localidade:
Mensagens: 139
 Re: bem me parecia que mal parecia
Gostei da leitura.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 28/10/2021 19:37  Atualizado: 28/10/2021 19:58
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1977
Online!
 Re: bem me parecia que mal parecia
Existem expressões tão usuais na linguagem corrente, que pouco nos apercebemos do uso.
"bem me parecia..."
Essa referência a pressentimento, ou talvez constatação duma evidencia, entra duma forma peculiar no poema logo no título.
Sob a forma de antítese pode colocar o leitor em questões tão básicas ou profundas como a diferença entre o bem e o mal.
O segundo verso da primeira estrofe é duma beleza incomum. E introduz os haveres que vão povoando este poema.
E enamorado pelo segundo verso da primeira estrofe (as margens fazem os marginais, e o que será um rio sem margens?) vou seguindo esta confissão, meio penitente, com bastante deslumbramento.
A incapacidade de "..esconder uma trova..." fica patente, apesar de fugirmos aos formalismos da quadra, mas entrando na indomável inspiração.
Muitas aliterações vão se agrupando, a segunda estrofe afirmando uma humildade muito interessante no autorretrato do sujeito poético, talvez demasiado fiel.

Tenho acompanhado as tuas publicações e não tenho problemas em afirmar que já és um caso sério de qualidade que me apraz acompanhar.
Favoritei o texto, em vários momentos brilhante.

Bem-vindo aos meus favoritos.