https://www.poetris.com/
Poemas : 

Fortaleza

 
Naquele dia era meio dia e anoiteceu de dor e amargura
A morte me tocou o peito e eu mal pude saber o porque
A sede é instantânea, sombras ocupam tudo que era luz
É um fio que se rompe fácil, um golpe no início da tarde
De nada vale afogar-se em pranto, a hora é de despertar

Todas aquelas linhas em branco das páginas do caderno
Aberto a imitar um par de asas, não vão guardar os dias
Ou as horas escuras que se passaram, tal marés na noite
E sem se lograr guardá-las tornar-se-ão brancas espumas
Como onda que se choca no rochedo, vai ao céu e some

Ah vida cega, eu passageiro da morte, te ofereço versos
Calados na garganta. Hoje trajo novas vestes, renascido
Pois minha boca enfim encontrou respostas em tua boca
E assim olvidar as cicatrizes que n’outro tempo carreguei
Repousar ora revivido no plácido vale entre os teus seios

Nas curvas meigas de teu corpo, semeei minha fortaleza
E servir-te com fidelidade, é minha mais áurea conquista


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
48
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.