https://www.poetris.com/
 
Contos : 

As cidades e os deuses

 
Quando o visitante chega a Cíbia pela primeira vez, é surpreendido por um aroma nauseabundo que o envolve assim que ultrapassa o largo pórtico das muralhas, sobre o qual pende a inscrição em letras capitulares "CVI MVLTVM EST PIPERIS, ETIAM OLERIBVS IMMISCET".

Pelas ruas repletas de casas miseráveis, destacam-se, a intervalos regulares, enormes construções que identificamos como restaurantes. Se entrarmos, vemos que os clientes se amontoam num espaço exíguo, perante um furo circular na parede do fundo, de onde os funcionários lhes entregam panelas e tigelas cheias de comida com aspeto e odor repugnantes.

Se questionarmos os habitantes de Cíbia sobre o motivo deste estranho comportamento, apontam para um edifício majestoso no cimo do outeiro. Lá habitam setenta e dois monges que se dedicam a investigar as propriedades esculentas e medicinais de alimentos exóticos, que lhes são trazidos por emissários que chegam de todas as partes do mundo: pasta de olhos de atum japonês, pétalas de orquídea dourada de Kinabalu no Bornéu, gafanhotos raiados de sangue israelitas, nariz de alce em gelatina vindo diretamente do Alasca, creme italiano de piophila casei (larvas de queijo), embriões de pato das Filipinas, bálsamo de dracula simia (orquídea-macaco do Equador), entre outras iguarias.

Analisados os predicados que cada parcela do alimento contém, os monges dedicam-se a ensaios de preparação, em que os tubérculos, as folhas, os caules, as pétalas e as cascas, bem como a carne, os pelos, as unhas, os dentes e os ossos, são cozidos, assados, refogados, grelhados e fritos. Depois de apurada a forma de confeção que preserva mais perfeitamente a essência de cada alimento, os monges registam o resultado da sua inquirição em folhas de pergaminho distribuídas depois pelos restaurantes, que adicionam religiosamente os novos ingredientes às suas monumentais despensas e ao cardápio, sem alterações que possam estar ao serviço de fúteis motivos estéticos ou degustativos.

Anualmente, os habitantes de Cíbia juntam as poucas moedas que foram amealhando e entregam-nas aos servos do palácio do outeiro, para financiar as viagens dos emissários e a aquisição das vitualhas que as alquimias monacais destacaram, arrebatados pelo privilégio de renunciar a todos os frívolos prazeres da vida em troca de uma única honra digna dos deuses.

[texto inspirado em "As Cidades Invisíveis", de Italo Calvino]

 
Autor
benjamin
Autor
 
Texto
Data
Leituras
290
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
6
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/11/2023 11:34  Atualizado: 26/11/2023 12:37
 Re: As cidades e os deuses
Bom domingo !

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/11/2023 11:34  Atualizado: 26/11/2023 11:34
 Re: As cidades e os deuses
Excelente leitura!
Grata pela partilha.
Abraços

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 27/11/2023 13:22  Atualizado: 27/11/2023 13:22
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3527
 Re: As cidades e os deuses/benjamin
olá "benja.polo" / "calvino.benja"

...e que inspiração!!

a cidade "Cíbia" tem tanto de repelente como de atrativo.narrada de tal forma poética e de tal beleza filosófica que muito embora duvide da sua existência, posso afirmar, conheço.a, é.me tão familiar quanto a mensagem que extraí do conto...a atemploraridade do ser humano alienado e fragmentado.

beijo

atenciosamente
HC


Enviado por Tópico
Aline Lima
Publicado: 27/11/2023 18:54  Atualizado: 27/11/2023 19:00
Usuário desde: 02/04/2012
Localidade: Brasília- Brasil
Mensagens: 526
 Re: As cidades e os deuses para Benjamin
Olá, meu querido Benjamin.

Seu texto é incrível! Me levou para um mundo de imaginação e sabores peculiares em Cíbia. A descrição das práticas alimentares e a influência dos monges na culinária da cidade são tão vívidas que consigo até imaginar o ambiente de cheiros das panelas.
E a frase em latim, "CVI MVLTVM EST PIPERIS, ETIAM OLERIBVS IMMISCET", que você incorporou, parece sussurrar sobre a abundância de sabores e propriedades em Cíbia, que vão além do objetivo de agradar o paladar comum.
A inspiração em "As Cidades Invisíveis" de Italo Calvino adiciona uma camada instigante à sua narrativa.
Estou super curiosa para ler "As Cidades Invisíveis" agora, para explorar mais desse universo tão interessante, onde viajar por uma cidade imaginária pode ser algo tão fascinante.

Beijos,
Aline.