Poemas : 

moledo em agosto

 
tapo o sol com as mãos
porque não consigo
agarrar o céu

que mais se faz
quando se tem seis anos
quando o corpo

é tão sincero
quanto a espuma
a areia e as conchinhas

que colhemos
como aos dias
de horácio

que nunca saberei
quem foi mas sei
que o sal dá sabor e a vida

é ontem hoje e amanhã
como os retratos com pó
do vovô manel que

está sozinho desde maio
e eu gosto tanto
de o recordar assim

a desenhar faróis
na nossa tenda
indiferente ao ruído

de gaivotas como
a titi do biquíni azul
com a boca cheia

de bolacha americana
e de conselhos úteis
como vamos para

a sombra sai dessa
água despacha-te
é tempo de ir embora

e o ruído de repente acaba
já não tapo o sol
já não vou agarrar o céu

o caderno do vovô está
com pó na estante a titi
cala os silêncios dela

ainda tenho aqui um resto
de sal conchas e dias
hoje amanhã e sombra

 
Autor
Benjamin Pó
 
Texto
Data
Leituras
500
Favoritos
12
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
124 pontos
6
11
12
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Abissal
Publicado: 26/05/2023 21:28  Atualizado: 26/05/2023 21:28
Membro de honra
Usuário desde: 27/10/2021
Localidade:
Mensagens: 592
 Re: moledo em agosto
Um poema que nos leva a viajar no tempo. Recordei também a praia de Moledo. Gostei muito de ler.
Abraço, amigo.


Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 27/05/2023 06:51  Atualizado: 27/05/2023 06:51
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3708
 Re: moledo em agosto p/benjamin
olá benjamin

as imagens da infância retidas na retina ficam para sempre e, depois dá nisto...uma composição poética que levou.me a viajar aos teus lugares, tuas recordações... e a perda.

atenciosamente
HC


Enviado por Tópico
Aline Lima
Publicado: 28/05/2023 16:23  Atualizado: 28/05/2023 16:23
Usuário desde: 02/04/2012
Localidade: Brasília- Brasil
Mensagens: 666
 Re: moledo em agosto p/ Benjamin
Olá, Benjamin.
Sempre fico feliz quando venho aqui ao Luso e encontro algo seu para ler.
O seu poema anterior falava do furor da adolescência e agora este retrata tão lindamente a doçura das recordações da infância.
Gostei da maneira como você descreveu as lembranças de uma época inocente num cenário tão bonito. Não conheço o lugar, mas pude imaginar.
Como sempre, muito linda a sua escrita.
Li certo dia uma frase assim : " O problema não é crescer, o problema é esquecer". Você não esqueceu, ainda bem.
Meus aplausos.
Beijos.