https://www.poetris.com/
Poemas : 

o lembrete

 
dois pés de fora, quatro da manhã
um toque salgado, no sono de lã

será visão, ou mero lembrete?

é a insónia que se escreve
na folha madrugadora
e já são sete!

o longo engano!
meu caos completo
minha paz acabada
e tão pouco pano!

de novo,
do nada, um toque
e a loucura faz festa.
talvez um chá verde
um unguento na testa
uma oração para o alto
de joelho quebrado
se nada mais resta

ah, este sonho deserto
a acontecer por decreto!

 
Autor
RoqueSilveira
 
Texto
Data
Leituras
199
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alemtagus
Publicado: 03/12/2023 11:09  Atualizado: 03/12/2023 11:09
Membro de honra
Usuário desde: 24/12/2006
Localidade: Montemor-o-Novo
Mensagens: 3052
 Re: o lembrete p/ RoqueSilveira
Deva dizer-se que acordaste inspirada. Um sonho bom nunca acaba bem como queremos, mas é apenas sonho, uma forma de criar problemas sem soluções, algo abstracto.

Enviado por Tópico
Paulo-Galvão
Publicado: 03/12/2023 16:54  Atualizado: 03/12/2023 16:54
Usuário desde: 12/12/2011
Localidade: Lagos
Mensagens: 1169
 Re: o lembrete
Olá Roque,
Tudo ganha proporções excessivas às 4 da manhã e redunda em pouco as sete. Há Algo de genial no poema.
Brilhante,
Paulo