https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Sem título(57)

 
Escuto a chuva dos olhos do mundo

E de quererem ser mares são ínfimas as minhas mãos

Em todos os peitos dilacerados

Por todos os peitos negros de descrença

Eu clamaria p`la urgência da fábrica de corações ardentes

Das minhas mãos esmagadas pela ausência de outras mãos

Ainda tenho todo o fogo do mundo

O fogo de acalentar Invernos eternos de desamor


Retenho em mim imensas e impotentes tristezas

Inacções e desalentos alheios

Fatigo as pernas nos trilhos não ousados por outrem

Entrego meu olhar em penhor da minha verdade

Desnudo-me para melhor se entenderem

No mistério das claridades


Alimento-me de sol de lua e de mar

Deito-me de esperança na praia deserta

Faço-me de temperança entre tempestades e calmarias

Exibo o infinito querer por dentro do ínfimo ser

Disperso afectos ao desbarato

Sem conta e sem medida

Coração sem peso de mágoa

Fogo dado em escuridão alheia

Olhos de alma em sol nascente


Abjuro o vulgar em mim

Renuncio palavras pueris

Se eu disser:

Salve-se quem puder, salva-se quem

Pode ter a infinita graça de ter sangue nas veias!

Salvam-se poucos

Salvam-se os de muito querer


Pertences também aos eleitos

Salva és pelo teu próprio amor

Pela sublime vontade de bem-querer

Pela vontade do amor decantado


Se me falta som na voz

Ou palavras no poema desenhado para ti

Invento a floresta em sinfonia

Faço-te cama de alvas flores e frutos do bosque

Tela e papel do poema pintado corpo a corpo

Sangue suor e sémen efervescentes

Aromas e sabores na cor do poema

Desejos em tela decalcados


Agora contamos o nosso tempo

Em palavras de som e de cor

Grão a grão em todas as praias do mundo

Iluminas-me com a rosa cor de sol

E fazes do meu mar tua interminável viagem


Dionísio Dinis


 
Autor
Dionísio Dinis
 
Texto
Data
Leituras
526
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Mel de Carvalho
Publicado: 10/04/2007 17:30  Atualizado: 10/04/2007 17:30
Colaborador
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa/Peniche
Mensagens: 1562
 Re: Sem título(57)
"Invento a floresta em sinfonia
Faço-te cama de alvas flores e frutos do bosque
Tela e papel do poema pintado corpo a corpo".

De novo um poema belíssimo!
Um abraço
Mel