https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Pecados de marionete

 
Tags:  noite    chorar    agonia    vestido  
 
Vestida pra noite
Saia bem cedo,
Nos lábios o sorriso
Enfeitando o medo.

A bagagem de mão
Levava no peito,
E uma tatuagem decoração
No braço direito.

Aprendeu a cuspir
E a chorar escondida.
Despia-se ao vestir,
Nossas fantasias proibidas.

Era mãe de três filhos
Nenhum dos pais conhecido,
Vinte anos de vida
Poucos deles vividos.

Tropeçando em seus sonhos
Vivendo em tempo irreal,
Onde tantos são estranhos
E ser estranho é ser normal.

No subsolo do mundo
A depressão é poesia,
A lágrima é a resposta a tudo
O que o sorriso escondia.

Mal vestida pro dia
Voltava já cedo,
Nos olhos a agonia
Denunciando o medo.


 
Autor
espigao
Autor
 
Texto
Data
Leituras
770
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/12/2008 21:55  Atualizado: 30/12/2008 21:55
 Re: Pecados de marionete
Lindo poema!Forte mensagem sócio-psicológica em versos muito bem rimados.Gostei imenso!
Bjins, Betha.


Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 31/12/2008 22:23  Atualizado: 31/12/2008 22:23
Colaborador
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 12081
 Re: Pecados de marionete
Tem aqui um bom poema muito bem estruturado, relato de um drama social que a mim muito me toca, um dia escrevi algo muito mais singelo que te deixo aqui.

TRISTE DESTINO
Era tarde do dia
onde escurecia...
desengonçada descia a calçada
em bicos de pés,
de lábios pintados
olhar mascarado...
percorria mais um dia
de seu triste destino.

Seus meninos já deitados
sonhavam acordados
com um amanhecer diferente
para aquela que os deixava
indo á procura do pecado
que lhes daria o sustento.

bEIJOS BOM ANO