https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

A costela

 
Bate coração tolo
Bate filho pródigo da sabedoria
Bate...

Espanca o corpo pálido e aviltado
Surra a distinta consciência
E acalenta a licenciada ignorância do instinto

Palpitava-me os olhos
O som adstringente dos teus passos
Saboreava o seu cavalgar
Trazendo a insígnia da discórdia
Reluzente ao peito
E obscura aos meus sentidos

Roubava-me prazerosamente
Os anéis, as camisas, os sapatos
A dignidade e tudo mais.
Cantarolava canções druidas
E abocanhava a minha carne palpitante
Sangrava o meu último arroubo de liberdade
Após isso
Deixava-me no chão em hemorragias
Cravado nas costas um bilhete com a inscrição:
“Eu te amo”.


"A maior riqueza
do homem
é sua incompletude.
Nesse ponto
sou abastado.
Palavras que me aceitam
como sou
— eu não aceito." Manoel de Barros

 
Autor
Cleber
Autor
 
Texto
Data
Leituras
722
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Egéria
Publicado: 05/11/2009 11:55  Atualizado: 05/11/2009 11:55
Da casa!
Usuário desde: 28/09/2009
Localidade:
Mensagens: 293
 Re: A costela
Muito bom este poema..., aliás adoro a sua escrita.
Bjs.


Enviado por Tópico
Egéria
Publicado: 05/11/2009 11:55  Atualizado: 05/11/2009 11:55
Da casa!
Usuário desde: 28/09/2009
Localidade:
Mensagens: 293
 Re: A costela
Muito bom este poema..., aliás adoro a sua escrita.
Bjs.