https://www.poetris.com/
 
Textos -> Desilusão : 

Indigente

 
Open in new window


Ignoro quando novamente terás linhas minhas. As mãos já fraquejam diante dessas, e, os verbetes já não me escorregam pelas laudas, como se dispunham a brincar-me todos os dias. Não há apuro, ou, fino apreço, nesta minha nefasta escrita. Esquiva-me os pensamentos que vagueiam em uma alma perdida em tormentos sem vida. Por favor, não tome deste cálice agora, pois ele é jazigo da alma e fel do meu fracasso. Cego-me diante do abismo sepulcro, calo-me diante minha última sentença. Penitencia-me com essas condenáveis alíneas de agora! Jorra-me as ácidas lágrimas no eito de minhas marmóreas utopias em memória! Abandona-me o casto rebanho de meu peito, carpe diem-me nas despautadas laudas de minha vida!

Aqui jaz mais uma indigente escrita!


rody

 
Autor
rody
Autor
 
Texto
Data
Leituras
632
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.