https://www.poetris.com/

 
(1) 2 »
Offline
ParadoXos
Poesiema
Escrever poesia é bater palmas com as mãos cheias de silêncio.
Enviado por ParadoXos
em 28/02/2012 12:19:47
Offline
ParadoXos
Escasso infinito
Quando os gestos regressarem ao local das mãos, descasca gotas de água como se fossem gomos de am...
Enviado por ParadoXos
em 09/02/2012 07:04:37
Offline
ParadoXos
Incólume
Dezembro-me como se fosse hoje. Flocos de lenha derretiam-se na lareira tentando calar o frio. Lá...
Enviado por ParadoXos
em 18/12/2011 11:16:11
Offline
ParadoXos
Caminho
Que caminho é esse que nos faz andar de um beijo para o outro à procura de um abraço?
Enviado por ParadoXos
em 27/11/2011 15:20:38
Offline
ParadoXos
INTERR0GATÓRIA
E se guardássemos o sol nos bolsos, com que mãos haveríamos de amachucar a luz como se fosse uma ...
Enviado por ParadoXos
em 25/11/2011 21:54:12
Offline
ParadoXos
Redundansiedade
Pesa-me tanto o sono dos teus olhos. Dá-me um grito para me calar. Mesmo sabendo que o silêncio c...
Enviado por ParadoXos
em 21/11/2011 22:23:02
Offline
ParadoXos
ParadoXos
Contagia-me com as tuas asas. Voa-me todo de uma vez ou cai a pique no poema côncavo que cavo aos...
Enviado por ParadoXos
em 21/11/2011 22:10:15
Offline
ParadoXos
Poema Visual
Se te perguntarem quem descascou as pedras e hoje atira os seus gomos contra os rios que se recus...
Enviado por ParadoXos
em 21/11/2011 22:00:03
Offline
ParadoXos
Cada um escreve com a solidão que tem!
As metáforas também servem para mascarar a ausência de imaginação porque mesmo inventando não est...
Enviado por ParadoXos
em 20/11/2011 19:52:54
Offline
ParadoXos
Diverso
A verdade, seja ela qual for, vou devolvê-la ao rio devoluto no fundo dos teus olhos. Pode ser qu...
Enviado por ParadoXos
em 13/11/2011 08:28:52
Offline
ParadoXos
POESÍSSIMO
Dá-me um abraço sem que os meus braços te peçam. Belisca-me o sono e a voz como te ensinei. Busca...
Enviado por ParadoXos
em 09/11/2011 22:37:29
Offline
ParadoXos
Versículo
Se um dia parar de escrever, hão-de nascer insónias à cabeceira da tua cama.
Enviado por ParadoXos
em 03/11/2011 21:44:14
Offline
ParadoXos
Enviado por ParadoXos
em 30/10/2011 10:52:49
Offline
ParadoXos
Enviado por ParadoXos
em 22/10/2011 23:38:42
Offline
ParadoXos
Diminuto
Fazer um minuto de poesia como se o silêncio doesse mais alto que as próprias palavras. Repet...
Enviado por ParadoXos
em 20/10/2011 22:18:33
Offline
ParadoXos
Enviado por ParadoXos
em 19/10/2011 10:58:47
Offline
ParadoXos
Enviado por ParadoXos
em 18/10/2011 22:43:41
Offline
ParadoXos
Paradoxos 2
Acariciar-te a sangue frio sem lubrificar a minha língua, domesticar os teus gritos no crepúsculo...
Enviado por ParadoXos
em 18/10/2011 22:15:03
Offline
ParadoXos
SILENCIÁRIO
Agarra-me! As palavras doeram-se. Por agora o poema é o lugar onde adormeço quando não consigo es...
Enviado por ParadoXos
em 17/10/2011 22:42:23
Offline
ParadoXos
PARADOXOS
Manda-me de volta todos os beijos que não demos na hora da despedida que nunca existiu. Manda-me ...
Enviado por ParadoXos
em 15/10/2011 19:22:45
(1) 2 »