https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

SILENCIÁRIO

 
Agarra-me! As palavras doeram-se. Por agora o poema é o lugar onde adormeço quando não consigo escrever o sono. Agora é inútil engolir versos como se fossem beijos. Em seco. Em delírios que se curam à chapada. Em poesia que poisa em nós quando o mundo não está. Em carícias silvestres que te arranco das mãos para plantar na pele da água. Em poemas que falam quando os homens neles se calam a si próprios.

 
Autor
ParadoXos
Autor
 
Texto
Data
Leituras
351
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 17/10/2011 23:09  Atualizado: 17/10/2011 23:09
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9312
 Re: SILENCIÁRIO
Boa noite Caro poeta, seu personagem queixa-se que lhe faltam as palavras, e quando estas lhes chegam não dizem nada expressivo, e assim acabam por lhe calarem.
Parabens pelo seu contundente poema, MJ.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 17/10/2011 23:12  Atualizado: 17/10/2011 23:12
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8228
 Re: SILENCIÁRIO
poesia pura, muito bem elaborada; acho que vou dormir neste texto poético.
Parabéns
Roque

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/10/2011 23:59  Atualizado: 17/10/2011 23:59
 Re: SILENCIÁRIO
Linda poesia,parabéns...
beijos meus