https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de SALETI HARTMANN

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de SALETI HARTMANN

"Coisas que só o coração pode entender"...

 
O coração do povo brasileiro é de índole bondosa.

Basta conferir nas crises repetidas pelas quais o país atravessa, e sempre ele – o POVO! – tem de apertar o cinto, fazer como Prometeus, comer o próprio fígado para colocar novamente tudo em seu devido lugar.

Alguém entende essa mansidão tão especial, quando o barco está quase afundando, e o grande povo joga água para fora, trabalhando, resignando-se... jamais se acomodando.

É claro, todos gritam, todos xingam e todos doem.

Mas, todos vão à luta, encobrindo, assim, os erros malditos que os governos vão cometendo no meio do caminho.

Quando podem, todos vão às ruas, mas depois, voltam ao seu trabalho.... porque outro não vão encontrar, mesmo. Quando podem, até choram, se enraivecem, mas estão lá, no lugar onde sempre estão, a esmolar um pouco de dignidade de quem os governa.

Numa dessas crises, há mais de 30 anos atrás, lembro que minha mãe querida, depois de um dia inteiro de trabalho na roça e em casa, caminhava, à noite, no escuro - digo, tropeçava - porque a luz era especialmente cara. Não podíamos estudar à noite, porque ninguém pagaria nossas contas de luz. Eu a observava, vendo a sua figurinha silenciosa, catando coisas, objetos, lavando louças, roupas, tudo abaixo de velas, porque não se podia gastar luz.

E a Itaipu já existia. E fora uma promessa ao povo brasileiro, de que jamais amargaríamos uma luz cara.

E minha mãe dizia: vamos poupar, para ajudar o país a melhorar...

Pois é: “tem coisas que só o coração pode entender”... e o povo brasileiro derrama suas lágrimas pelos empregos perdidos, pelo alimento tão caro, pela VIDA! que, mais uma vez se tornou difícil, porque um bando de safados achou-se no domínio do Erário público... crime de guerra, lesa-majestade.... enfim, o roubo dos sonhos mais caros do nosso jovem, que aprendeu, mais uma vez, uma lição amarga vinda de pseudo-governantes, que jamais tiveram um mínimo interesse no país e neste povo tão querido.

Enfim: FELIZ ANO NOVO!!!!

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poeta
Cândido Godói-RS
 
"Coisas que só o coração pode entender"...

POVOS DA CRISTANDADE: REJUBILAI-VOS... É NATAL!

 
O Natal – a maior Festa da Cristandade – vai se aproximando com passos largos, neste ano de 2016.

Para a grande maioria dos cristãos, é uma festa alegre, que traduz a felicidade e a fé em Jesus, Filho de Deus. Para muitas famílias, a comemoração vem com o signo da Saudade, pela ausência de entes queridos, que se foram mais cedo para o plano espiritual. Mesmo assim, com a alma dolorida, é uma comemoração solene, pois demonstra o nosso Amor e submissão a um Deus que nos guia e acompanha há milênios.

Para alguns grupos de ateus, Jesus “saiu de moda”, e tentam colocar ídolos materiais e materialistas no seu lugar. Porém, não vão conseguir desvirtuar este Deus-Menino que um dia nos foi prometido, para aliviar nossas dores, para consolar os aflitos e para trazer a ternura e a alegria a este mundo que o Criador fez com tamanho carinho.

Quando pessoas incrédulas nos pedem um testemunho da Presença querida de Jesus em nosso meio, o povo cristão sorri, porque todos os dias, todos os momentos, são dados testemunhos maravilhosos da presença do Cristo. Na vida simples dos povos deste Planeta, não é com pompas que se apresenta o Menino-Deus, mas com a grandeza e a simplicidade de um Amor que ultrapassa limites do humano, e ultrapassa a matéria, para divinizar os momentos de tristeza por que passa esse povo através dos seus (des)governos mundiais.

No momento em que escutamos alguém fazendo uma oração ao céu, sabemos já, que Jesus secará as lágrimas caídas sem ninguém perceber. Quando assistimos à morte dos nossos queridos entes, e escutamos dos seus lábios o doce nome de Jesus, sentimos um alento maravilhoso, compreendendo que essa pessoa amada está partindo feliz para a Pátria espiritual. Quando uma mãe ensina seus filhinhos pequenos a rezar para Jesus, sabemos que a História Sagrada será enviada adiante, para o futuro, e será preservada por todos aqueles que sabem, em segredo, o grande tesouro que os mantém felizes e esperançosos de um mundo bom e sempre melhorando, apesar de, às vezes, parecer o contrário.

Que venha mais um Natal, com o estardalhaço humano e com o silêncio mágico de Deus. Estardalhaço, porque é impossível calar um povo que ama o seu Deus-Menino, e silêncio, porque a História Divina ultrapassou séculos e milênio para nos garantir que somos todos amados Filhos de um Criador que jamais abandona sua prole.

Então:

FELIZ NATAL!

Cantemos e celebremos o amor divino que renasce todos os anos, nessa mesma época, para lembrarmos que somos todos IRMÃOS, e que a Civilização que tem seus fundamentos num amor tão grande, jamais perecerá.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poeta
Cândido Godói-RS
 
POVOS DA CRISTANDADE: REJUBILAI-VOS... É NATAL!

UM POEMA CADA DIA

 
Minha Inspiração
- a qual eu chamo de “Anjo! –
Soprou docemente
nos meus ouvidos:
- Amada minha,
cadê a Musa Divina
que faria desabrochar
um novo poema
a cada novo dia?

Respondi:
- Divina Inspiração,
andei curando Almas
que não sabiam mais
sonhar.
Agora, estou a me curar
de tanto Pranto
minha alma a estraçalhar...

- Mas, te prometo, Anjo meu:
Que a Musa voltará
e cantará, novamente,
só para Ti,
Um novo Poema
a cada novo dia.

- Uma nova Flor
Para cada novo Amanhecer.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poeta
Cândido Godói-RS
 
UM POEMA CADA DIA

CONCERTO PARA UM CORAÇÃO SEM AMOR

 
Amor que não se mede..... mentira! Amor se mede, sim.
Não pela beleza, não pelas vaidades, não pela riqueza.
Sim pela ternura de querer amar demais
Uma vida inteira, e não se desgarrar jamais.
Sim, amor se mede, pela fortaleza
de suportar alegrias, dores,
saúde e doença.
Mentira amor sem cuidados,
Mentira amor sem responsabilidades.
Amor se mede pelo encanto
e pelos desencantos todos....
Se mede pela bondade
e pelas falhas suportadas
com carinho e com paciência.
Quando encontrares um coração
sem amor,
não acredite que ele não ame.
Talvez amou demais,
e não pôde medir o seu sentimento
pela plenitude de uma vida inteira
de companheirismo
e de amizade,
mas foi medido com as medidas
da intolerância
e das vaidades.

Saleti Hartmann
Poetisa
Cândido Godói-RS
 
CONCERTO PARA UM CORAÇÃO SEM AMOR

MEU CANDIDATO A PRESIDENTE

 
Uma jovem mandou uma mensagem via messenger, suplicando para que eu repensasse o meu voto. Afirmou que Bolsonaro é homofóbico, considera as mulheres fracas, não gosta de negros e que quer banir a pedagogia Freire das escolas.

Esse não é o Bolsonaro que aprendi a conhecer, no decorrer das muitas conversas mais calmas que ele teve com pessoas de bom senso e sem ideologias perversas. Esse é o Bolsonaro que foi construído pelas esquerdas, levando em conta apenas algumas frases de suas conversas, não o contexto total do seu maravilhoso pensamento.

Ele não é contra gays, é contra a erotização precoce das crianças nas escolas.... respeita as mulheres, tanto que milhares delas estão a seu favor. Seu vice é negro e representa muito bem essa raça que ajuda a fazer do Brasil, um país maravilhoso, cujas cores são representadas na liberdade de viver num mesmo território, quando as ideologias não se intrometem, para dividir e fazer uns odiar os outros.

Sou determinadamente contra a doutrinação ideológica nas escolas, que já ultrapassaram os limites da verdadeira democracia e liberdade. Muitos autores impostos aos professores são ideologicamente pensados, para condicionar o pensamento só numa direção, sem considerar o que estas ideias realmente representam ao redor do Planeta. A grande maioria prega revoluções ou atos violentos. Nossas crianças precisam de CONHECIMENTO, não de ideologias fatídicas.

Querida jovem, vote no seu candidato, viva a liberdade de que você dispõe atualmente. Mas não me considere ignorante ou errada na minha escolha. Tem uma longa história por trás do meu voto, e vou permanecer na minha convicção de que Bolsonaro representa todos os meus anseios de um país livre e verdadeiramente democrático.

Como ele diz, querida amiga: DEUS ACIMA DE TODOS!

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poeta
Cândido Godói-RS
 
MEU CANDIDATO A PRESIDENTE

UMA LIÇÃO DE PATRIOTISMO

 
Toda a vez que ouço pessoas jovens falando de descrença e zombando dos que ainda têm a coragem de se dizerem patriotas, eu volto o meu pensamento para quem me ensinou a ter um carinho muito grande pela minha Pátria, não importa qual o momento político ou econômico que ela esteja vivenciando.

Busco o exemplo da força e da coragem naqueles idosos que na sua juventude vieram ao Brasil - dos quatro cantos do mundo - em busca de uma nova vida, e a encontraram através do trabalho e da determinação.

A vida não está fácil hoje, mas também não foi um mar de rosas no passado, e certamente não será só maravilhas no futuro.

Gosto demais de ouvir as palavras sinceras daquelas pessoas de cabelos brancos e mãos calejadas, que construíram com suor e sacrifícios este país imenso que está aí, apesar das sucessivas crises. Eu me escoro nas palavras deles, que não são vazias, pois vêm confirmadas nos seus rostos enrugados, nas suas mãos bondosas e nas recordações de toda uma vida onde, apesar dos sofrimentos, havia lugar para uma imensa esperança.

Esta esperança parece estar faltando hoje, e no seu lugar está sendo semeada a desilusão e a apatia.

Olhar para trás, às vezes, é importante, porque podemos aprender lições valiosas com as gerações que nos precederam.

Antigamente não havia nenhuma comodidade, nada que indicasse um futuro promissor, a não ser um imenso, um grande sonho nos corações. A única saída era acreditar na vida e enfrentar o trabalho de sol a sol. Apesar disso, o futuro veio, com facilidades e tecnologias jamais imaginadas. E nós não queremos acreditar no nosso futuro e no amanhã das nossas crianças...

É de riqueza imensa o testemunho vivo dos nossos queridos idosos, por isso quero lembrá-los aqui, porque eles nos dão uma verdadeira lição de patriotismo. Se conversarmos com eles, com certeza nos dirão, com os olhos brilhando, de alegria e de saudade, que aprenderam a amar esta Pátria, mesmo encontrando dificuldades e sofrimentos. Eles nasceram em outras terras, e no entanto, trouxeram um amor e um carinho para depositar no chão de sua nova Pátria.

Talvez não encontramos nos nossos governantes o mesmo exemplo de amor à Pátria e de honestidade, que encontramos nas cãs dos nossos idosos. Mas este não pode ser um motivo suficientemente forte para ficarmos descrentes e para deixar que as novas gerações cresçam com a triste sensação de que a sua Pátria não merece o seu carinho e a sua esperança. Sabemos que as pessoas só lutam quando acreditam em algo, quando são movidos por uma esperança qualquer, mesmo que esta esperança se chame utopia.

Não vamos transmitir aos jovens e às crianças a indiferença pela sua Pátria. Porque, na verdade, a Pátria somos todos nós.
Nossa inteligência e nossos talentos orientados para o trabalho e para a solidariedade, são a resposta certa para aqueles que pregam o derrotismo e o desamor. O exemplo de vida dos nossos idosos ensina a verdadeira lição de coragem que precisa ser compreendida e seguida pelas novas gerações.

O Brasil necessita da nossa esperança e do nosso trabalho.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poetisa
Cândido Godói-RS
 
UMA LIÇÃO DE PATRIOTISMO

MEU PAI

 
Para falar de meu pai,
tenho de lembrar da guerra
(pela guerra que ele viveu)
e pelas dores que
nos transmitiu.
Pois o braço que lhe faltava,
ficou no campo de batalha.

Para falar de meu pai,
Tenho de falar sobre humildade
pela humildade com que viveu.

Para lembrar de meu pai,
tenho de evocar as flores,
as estrelas e os pássaros,
Que fizeram da sua vida
uma poesia natural.

Quando lembro deste Homem
Querido,
tão perto,
e tão distante,
Tenho de agradecer a Deus
- Pai Maior –
Pela vida vivida com intensidade
Perto de quem muito amou,
muito sofreu,
e jamais nos abandonou:

Pai Fernando: Te amamos,
Para muito além das estrelas!!

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poetisa
Cândido Godói-RS
 
MEU PAI

OS CÃES LADRAM

 
Guarda bem o teu coração,
Se nele ainda pulsa o AMOR.
O Mundo, hoje, parece
um cão
Sedento das flores
que você plantou.

Os cães ladram, ferozes,
e querem o fruto da tua
colheita.

Porém, anda sereno
no meio deles,

Pois a doçura de uma alma
autêntica,
É a força dos Filhos
de Deus.

Saleti Hartmann
Professora e Poeta
Cândido Godói-RS
 
OS CÃES LADRAM

A CORTINA DE FERRO QUE AINDA NOS SEPARA

 
Numa época não muito distante, mais conhecida e vivida pelas pessoas de mais de 50 e 60 anos, o mundo estava dividido em comunistas e capitalistas. O Muro de Berlim e o isolamento obrigatório dos povos russos e da Alemanha Oriental, eram chamados, politicamente, de Cortina de Ferro. Tal era a força das ideias seguidas pelos governos de outrora, forçando nações inteiras a simplesmente estagnarem no tempo, sem evolução em nenhuma área a não ser na científica-militar.

Pessoas de uma mesma família foram separadas, com a construção do Muro, na Alemanha, logo após o término da 2ª Guerra Mundial, e jamais puderam se reencontrar, a não ser quando, finalmente, em 1989, quase 70 anos depois, o Muro foi derrubado por pessoas sedentas de liberdade e revoltadas ao máximo com a situação paupérrima, política e econômica que o mesmo escondia.

Gostaria de fazer um pequeno paralelo entre aquela situação do passado, que pensávamos nunca mais repetir, e a situação atual do nosso país, em questão de ideias que são defendidas até com fanatismo, pelos amantes da ideologia, tanto de direita como de esquerda, produzindo assim, uma verdadeira Cortina de Ferro entre o nosso povo, fazendo com que voltem ódios e antagonismos antigos, que jamais poderiam estar de volta num país que tem a Liberdade de expressão como objetivo principal.

O fanatismo por certas ideologias – tanto de esquerda como de direita – já causou milhares e milhões de mortes ao redor do Planeta. Não é possível que não aprendamos as lições que o passado tem a ensinar, libertando-nos completamente do ódio e do fanatismo que tentam nos governar a todo custo.

Famílias se dividem envolvidas em rancores, amizades são desmanchadas sem perdão, pessoas se isolam ou isolam outras pessoas pelo simples fato de levarem o rótulo “de direita” ou “de esquerda”.

Nosso país acabou de viver mais uma eleição, creio plenamente que em perfeita liberdade, com o livre arbítrio dos eleitores, que escolheram um Presidente à altura dos seus sonhos e esperanças. Como vivemos na Terra e não no Céu, somos todos imperfeitos, e as pessoas que chegam ao Poder são somente humanas, com seus defeitos, sua personalidade e ideologia definidas. Não podemos esperar que sejam deuses ou que agradem igualmente “gregos e troianos”. A maioria que elegeu o novo Presidente é uma maioria que deve e precisa ser respeitada, assim como o próprio que foi eleito, dentro da máxima liberdade possível.

Aprendi, com meus pais, ainda quando era criança, esse respeito e gostaria de transmitir essa lição que nos foi dada de forma tão nobre. Quando era época de eleição, meu pai nos apresentava fotos de todos os candidatos que concorriam à eleição, e nos pedia que escolhêssemos aquele que mais se identificava com nossos sonhos de Brasil. Jamais nos impôs uma escolha, sempre quis que fôssemos livres e responsáveis também na área política.

Quando, enfim, o Presidente escolhido não era aquele que gostávamos, meu pai nos dizia que, mesmo assim, devíamos respeito a este ser humano, que não chegou nesse cargo máximo da Nação por um acaso, mas pela vontade da grande maioria do Povo... e por que não, de Deus! Dessa forma, assistimos e votamos em Presidentes, ora queridos por nós, ora do nosso desagrado, mas sempre lembrando das palavras sábias do nosso pai.

O respeito por quem foi eleito com o voto do povo – mais da metade – significa que concordamos em, acima de todas as nossas ideias contrárias, cooperar em tudo o que for necessário para o Bem do país como um todo, em todas as áreas possíveis, muito mais nos nossos empregos, sejam de grande nível ou apenas de colaboração, onde o serviço bem feito reflete a nossa boa vontade com esse Brasil imenso que é de todos, não de pequenas minorias.

É preciso conhecer o passado, não através de uma ideologia, mas através da História contada de todos os lados, do vencedor e do vencido, para não trazer de volta os ódios e rancores que causam tanto isolamento, tanta separação dentro de uma Nação que diz amar esse país de coração.

Vamos derrubar essa verdadeira Cortina de Ferro que está querendo se estabelecer no Brasil, com a força do senso de irmandade e fraternidade, para que todos possamos melhorar juntos, e assim, nos tornarmos o grande país que já deveríamos ser desde há muito tempo.

Não nos guiemos pelo fanatismo das ideologias, mas pelo sonho de vermos nossos jovens e crianças crescendo em liberdade, com a possibilidade de novas ideias, novas esperanças e de um novo futuro, onde, sim, podemos pensar diferentemente, mas não agir uns contra os outros por causa dessas diferenças tão naturais do ser humano.

Saleti Hartmann
Professora e Poeta
Cândido Godói-RS
 
A CORTINA DE FERRO QUE AINDA NOS SEPARA

SORRISO DE CRIANÇA

 
Sorriso de criança,
É pó de pir-lim-pim-pim,
Que faz voar
De alegria
O coração de quem o recebe.

Sorriso de criança,
É sol brilhando,
É lua enluarando,
É orvalho
Orvalhando.

Sorriso de criança,
É flor que se abre
Num jardim
Esquecido,
É bálsamo que cura
Tristeza sem remédio.

Sim: Sorriso de criança,
É um brinde dos anjos,
Para lembrar o
Mundo adulto
De que
As coisas pequenas
E simples
Contém
Toda a novidade
Da Vida!

Saleti Hartmann
Professora e Poetisa
Cândido Godói-RS
 
SORRISO DE CRIANÇA

DEIXE-ME AS ROSAS

 
Ó Anjo da Musa humana:

Tiraste de mim, a alegria da Inspiração,
e deixaste no seu lugar,
A Dor de um vazio sem par.

Disseste-me que outros poetas
a mesma Musa iriam usar
para suas rimas enfeitar.

Hoje, ao ler teus poetas sagrados,
Me vejo, nas antigas palavras, a rebuscar
o mesmo veio poético, para me iluminar.

Porém,

Anjo da Musa humana,

Vejo-me a construir palavras tristes,
Vejo-me, de novo, tudo começar,
E não consigo mais o antigo sonho alimentar.

Então,

Te suplico,

Anjo da Musa Humana:

Deixe-me, pelo menos as rosas!!!

Ou, alguma rosa perdida, no chão
da minha alma.

Para que eu sinta que um dia, a minha Musa irá voltar.
E, com toda a minha Saudade,
Eu volte a poetar.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poetisa
Cândido Godói-RS
 
DEIXE-ME AS ROSAS

BOLSONARO NÃO É UM MARGINAL! NÓS, OS QUE VOTAMOS NELE, NÃO SOMOS ASSASSINOS!!!

 
Não gostaria mais de retornar ao mundo insano das ideologias fanáticas e sem senso de justiça.

Porém, novamente, navegando pelas páginas do Facebook, encontrei, na página de um militante de esquerda, a seguinte "pérola" negra... negra de mancha, não de nobreza:

"Os responsáveis pelas mortes em Suzano, não é nem o Presidente Bolsonaro, mas aqueles que votaram nele, porque querem armas nas mãos do povo."

Só quero frisar aqui, o que penso, com tristeza, quando leio manifestações odiosas desse teor.

Nosso presidente não é marginal!!! Foi escolhido por um povo consciente, que depositou nele as suas esperanças, e que repudiou, não só a esquerda, como as ideias anti-cristãs que seus seguidores demonstram (não todos) sempre que aparecem na mídia, de alguma ou de outra forma.

Nós, os que votamos em Bolsonaro, queremos o mínimo de respeito, porque somos uma maioria que pensou muito antes de votar. Muitos de nós, inclusive eu, já votamos no Lula, na Dilma e outros de esquerda, sempre acreditando no sonho de um País para TODOS!

Não lembro que desfizeram tanto a imagem de Lula, quando esteve no Poder, a não ser quando foram descobertos os roubos estrondosos do erário público, do qual não sobrou NADA, e cujas consequências estamos sentindo hoje.

Se queremos armas nas mãos de alguém, as queremos nas mãos de pessoas inocentes e equilibradas, para se defender justamente dessa selvageria que tomou conta de muitos dos nossos jovens e de bandidos totalmente perigosos.

Não queremos armas nas mãos de qualquer indivíduo, sabemos que será preciso passar por um crivo psicológico antes de poder ter acesso a uma arma. Enquanto que, quem realmente quer matar, está livre para adquirir qualquer tipo de armamento em qualquer lugar do país, sem limites e sem que as vozes se ergam contra esse barbarismo.

Novamente, quero solicitar, com todo o meu horror: por favor, NÃO COLOQUEM A CULPA DE QUALQUER MORTE VIOLENTA EM NÓS, QUE VOTAMOS EM BOLSONARO.

NÃO SENTIMOS ESSA CULPA, porque somos pessoas de BEM, e porque aprendemos a julgar com Justiça, sem o domínio do fanatismo insano.

Por outro lado, é momento de nos unirmos em preces e orações por todos os atingidos diretamente nessas mortes, e não delegarmos culpa em quem também está abalado com tudo isso.

Se nosso País sofre de todas as maneiras, é, mais do que nunca, momento de UNIÃO, não de jogarmos as culpas em quem também luta para que tudo mude para melhor.

PEÇO A DEUS, NA SUA AMOROSA COMPAIXÃO, QUE RECEBA ESSES JOVENS COM AMOR, COM MUITA LUZ, E QUE ELES TENHAM A FORÇA DE NOS PERDOAR, A TODOS, POR TANTAS INSANIDADES.

Tenham uma Boa noite!

Saleti Hartmann
Professora e Poeta
Cândido Godói-RS
 
BOLSONARO NÃO É UM MARGINAL! NÓS, OS QUE VOTAMOS NELE, NÃO SOMOS ASSASSINOS!!!

CORAÇÃO DE CRIANÇA

 
As crianças são iguais aqui e do outro lado da vida. Faz tempo que convivo com crianças dos dois planos, e sempre me emociono com as suas reações amadas.

Certo dia, alterei minha voz para falar com alguém da minha família (isso acontece, quando não temos paciência), então, escutei o choro sentido de uma criança do outro lado da vida.

Perguntei porque chorava assim, e ela me disse:

- "Dói... dói... dói...."

- O que dói, meu anjo?

- "Você, xingando com a fulana. Dói muito.

Emocionada, pedi perdão à criaturinha de Deus, e ela sorriu, e me fez transparecer o seu sorriso num calor que tomou conta do meu corpo, e depois um alívio muito grande.

Estas crianças divinas fazem com que eu seja mais humana e mais leve nas minhas reações.

Afinal, logo mais elas estarão aqui convivendo conosco, e precisam sentir todo o amor de que somos capazes, para que a vida lhes seja suave e feliz.
 
CORAÇÃO DE CRIANÇA

MODINHA DO CORAÇÃO

 
O que diz o vento,
- meu coração?
Diz que a Saudade
ainda não se foi.

O que diz a chuva,
- meu coração?
Diz que meus olhos
ainda choram.

O que diz o Sol,
- meu coração?
Diz que a Esperança
ainda não foi embora.

O que diz o Vento,
O que diz a Chuva,
e o que diz o Sol?

- Dizem que o Amor
é uma dorzinha
que ainda mora
no meu coração.

Saleti Hartmann
Professora e Poeta
Cândido Godói-RS
 
MODINHA DO CORAÇÃO

A QUESTÃO DA MENTE BRILHANTE (EDUCAÇÃO)

 
Cientistas fizeram uma experiência com jovens e crianças, por algum tempo. A experiência tratou-se de retirar estes jovens da sala de aula e da convivência com a família e amigos (por algum tempo), e coloca-las em contato permanente com profissionais brilhantes em algumas áreas do conhecimento, ou seja indivíduos PHD.

Para resumir, depois de algum tempo de convivência e de experimentos junto aos profissionais brilhantes, os jovens demonstraram uma aptidão mental também brilhante e bastante evoluída. Quando os jovens voltaram à sua antiga vivência, na escola e na família, em princípio, pareciam também superdotados. Porém, com o passar do tempo, foram novamente assumindo uma curiosidade limitada, como a de seus colegas, professores e familiares.

Particularmente, entendi que o experimento quis confirmar o fato de que, depende com quem convivemos, e como o fazemos, somos mais ou menos inteligentes.

Creio que, se fosse dado a todos os jovens oportunidades iguais, de convivência com brilhantes profissionais, e fazendo sempre coisas consideradas grandiosas, todos se sobressairiam como superdotados, pois teriam sempre à sua disposição tudo o que precisariam para suas experiências científicas, além de conviver com indivíduos com PHD em alguma área do conhecimento.

Sou da opinião, que essa experiência é relevante, é quase humilhante, pois, nas escolas e na família, como na sociedade, não temos uma estrutura econômica e humana pronta para receber nossos jovens, quando sua mente está em condição de curiosidade, tanto científica quanto em relação a algum conhecimento que pretendem adquirir e confirmar a sua veracidade, ou não.

Nas nossas famílias, o PHD dos pais, se relaciona com o pagamento das contas em dia, pois o salário não oferece uma vida digna, onde se pode ir além e aquém, nos estudos mais evoluídos.

Nas nossas escolas, o PHD dos professores não consegue evoluir além de querer e tentar atender a todos os alunos tanto individualmente, ou em grupos, pois falta tempo, falta material, falta estrutura para que haja um excelente atendimento às verdadeiras necessidades dos alunos. A mente brilhante dos professores, se esgota e tropeça na má vontade dos alunos, na indisciplina, na impossibilidade de oferecer-lhes o que há de última novidade em tecnologia ou mesmo em descobertas científicas, para que eles, por sua vez, produzam uma mente mais bem dotada.

Não se pode, simplesmente, jogar pais e professores em uma vala comum, dizendo que não possuem mentes brilhantes.

Nota-se que a experiência foi feita em total retiro dos alunos de suas famílias e escolas – onde estão problemas de toda ordem – e tiveram plena convivência com mentes PHD, com experiências PHD, e tiveram todo o material necessário à sua disposição para um aprendizado de alta qualidade, todo o tempo do mundo à sua disposição, para poder pensar, raciocinar junto com seus professores PHD, onde, enfim, provaram que a mente humana, na sua totalidade, é bastante dotada, quando tudo está ao seu favor.

Por isso, quando falam em mentes brilhantes, eu me arrepio, de dor e de revolta, porque, como professora, no decorrer do caminho, sinto-me empobrecer daquilo que me considerava perto do brilhantismo, inserida em um sistema que desvaloriza completamente a educação e os educadores, e, desta forma, joga a mente brilhante dos nossos jovens e crianças, no caminho da quase ignorância dos melhores valores e das melhores oportunidades de conhecimento que a vida oferece, a cada instante.

Estamos vendo, dia-a-dia, a mente brilhante dos nossos alunos ir se apequenando diante da insensatez de governos, instituições e indivíduos, que massificam-nos a todos, porque colocam a ambição, o poder e o lucro acima de qualquer ação que traga um benefício real à educação (e, quando digo educação, incluo saúde, infraestrutura, salários, honestidade, etc.)

Não façam mais tantas experiências envolvendo o que os jovens poderiam vir a ser. Deem-lhes condições reais e concretas para que eles desenvolvam a mente brilhante e superdotada que está adormecida dentro de cada um.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poeta
Cândido Godói-RS
 
A QUESTÃO DA MENTE BRILHANTE (EDUCAÇÃO)

DEUS ESTÁ AQUI

 
Desde menino, aquele jovem ouvia sua mãe dizer: - "filho, não há nada mais precioso, na vida, do que encontrar-se com Deus".
Então, ainda imaturo, saiu pelo mundo, à procura do Deus que sua mãe tanto falava.
Andou muito, conheceu pessoas, lugares e admirou-se do fascínio que sentia ante a majestade das altas montanhas, dos generosos rios, e diante da beleza que encontrava onde ia.
Conheceu, também, a tristeza e a doença nas pessoas que pareciam ter nascido para sofrer. Mas, junto delas, como anjos a velar por outros anjos, encontrava, sempre, outros seres humanos, cuidando, curando e lutando por um sorriso de alegria por dia.
Andou, ainda, no meio das grandes cidades, sentiu a beleza e a solidão dos grandes arranha-céus, a agitação e o pulsar das multidões, que vão e vêm sem aparente sentido.
E percebeu-se, a si mesmo, um homem solitário, procurando, indefinidamente, pelo Deus da sua mãe.
Ela, já não vivia mais. Ele, envelheceu.
Então, um dia, resolveu voltar para o lugar onde havia nascido, para rever velhos amigos, e, talvez, para a sua derradeira despedida da grande procura que parecia não ter fim.
Quando chegou, enfim, à antiga casa, que parecia aguardar a sua volta, com um grande ponto de interrogação, sentiu a presença invisível da mãe, sempre repetindo as mesmas palavras de ternura: "Filho, encontrar-se com Deus, é o Supremo conhecimento da Felicidade".
Um vento frio e leve soprou nas suas narinas, e ele respirou fundo, como se quisesse conversar novamente com a mãe, para dizer a ela o que ele encontrou, andando pelo mundo.
Abriu uma janela, que rangeu um rangido triste, melancólico, e sentou-se na velha cadeira onde sua mãe costumava sentar-se e contar estórias de vida... e de Deus.
Num sussurro, murmurou, para si mesmo, como se falando com a mãe:
-"Mãe querida: corri o mundo inteiro à procura de Deus, e O encontrei, aqui mesmo, habitando conosco, na Terra. Ele sempre esteve aqui... sempre estará aqui. E a Sua Presença, é realmente maravilhosa! Pois ninguém está totalmente só! Não encontrei nenhuma pessoa que estivesse sofrendo, na vida, que não tivesse alguém por ela, e isso é Deus! Só pode ser Deus!
No mundo imenso, onde o mal parece dominar, encontrei os rastros do Bem, fazendo, em silêncio, um trabalho de Gigantes. E, dentro do meu coração, encontrei um sentimento de ternura, que meus cabelos brancos enternecem, ainda mais. Encontrei Deus, mãe querida, e reencontrei você, na tua doçura de anjo, sempre a velar por mim, como a esperar esta mesma resposta, daquele teu filho outrora descrente. Hoje, sinto que estamos juntos, na mesma Luz, na mesma Paz e na mesma certeza de que somos Filhos do mesmo Amor."

Saleti Hartmann
Professora e Poetisa
Pós-Graduanda em Psicopedagogia
Cândido Godói-RS
 
DEUS ESTÁ AQUI

ESCREVE UM LIVRO PARA MIM!

 
Certo dia, uma das minhas crianças iluminadas do outro plano, parecia inquieta, meio chorosa.

Senti que ela queria demais algo que eu talvez pudesse lhe dar.

Perguntei:

- O que lhe falta, querida criança?

Ao que ela me respondeu, choramingando:

“- Você escreve tanto! Escreve um livro para mim!!”

Achei que talvez conseguisse escrever algo para ela. Comecei a digitar algo no computador, e ela me pediu para parar.

“- Não... não é esse o livro que eu quero...”

Tentei, de várias maneiras, abordar assuntos os mais possíveis de ser amados por uma criança do céu. Mas, ela continuava choramingando.

De repente, ela me disse:

“- Escreve o meu nome.”

Perguntei:

- E como é o teu nome?

Ao que ela me respondeu pronta e meigamente.

“- Meu nome é Joana!”

Então, escrevi, com muito carinho o nome dela: Joana.

Ao que ela respondeu, alegremente:

“- Este é o meu livro!!! É assim que eu quero.”

Emocionada, entendi o quanto são simples as crianças que convivem comigo na outra dimensão. O nome dela – Joana – era o livro da vida dela, e eu, enfim, consegui escrever tamanho tesouro, que a alegrou
definitivamente.

Saleti Hartmann
Professora e Poetisa
Cândido Godói-RS
Fernando Hartmann (in memoriam)
 
ESCREVE UM LIVRO PARA MIM!

QUANDO...

 
Quando criança, olhava
para os adultos,
e me perguntava:
- Vou crescer e ser como eles?
Nunca mais brincar
de esconde-esconde....
nem girar a roda
cantando músicas amorosas
e sorrindo sem saber do quê
e para quê????
E quando, enfim, cresci,
a resposta veio tão rápida
quando o tempo
que não para de correr.
Cresci, sim, sou adulta.
Cadê a menina que girava na roda infantil,
cadê a garota sapeca e faceira que
brincava, todos os dias de esconde-esconde?
Ah! Ei-la, madura, guardando dentro de si
a suavidade das lembranças.
Porém tecendo planos
para que esta criança – feliz –
jamais perca o seu espaço
nos parques, nos jardins e nas casas
dos adultos.
Porque a criança representa
toda a nossa felicidade humana.
É ela que faz rejuvenescer os sonhos,
as alegrias amorosas,
e o sorriso meigo, ingênuo
nas faces dos adultos.
Quando era criança,
aprendi a ser uma adulta feliz.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Psicopedagoga
Cândido Godói-RS
 
QUANDO...

LÁGRIMAS DE PALHAÇO

 
- Que gotinha é esta,
que desliza suavemente
Pelo rosto pintado
do palhaço extrovertido?

Fez rir toda a platéia,
Faz rir a si mesmo.

( E agora, chora? )

Palhaço que carrega
o mundo nas costas...
Palhaço que ri,
quando quer chorar...

Não.
Não é uma lágrima
que eu vejo
a deslizar
neste rosto invisível.
( Anônimo rosto )
Rosto pintado,
Rosto marcado.

Não é lágrima.
É apenas um pingo de suor
na ponta do nariz.

Saleti Hartmann
Poetisa e Professora
Cândido Godói-RS
 
LÁGRIMAS DE PALHAÇO

SURPRESAS DE QUEM ESCREVE...

 
SURPRESAS DE QUEM ESCREVE

Desde criança - e sempre incentivada por meus pais e irmãos - gostava de ler. Principalmente, poesias, crônicas e histórias infantis, que eram próprias da minha idade. Também lia Castro Alves, e sofria com o seu navio negreiro, pois ele soube retratar com fiel realismo a miserabilidade da escravidão.

Gostava de ler Casimiro de Abreu, Olavo Bilac, Cecília Meireles.... enfim, autores de várias gerações e de talentos até hoje, fascinantes.

Num certo momento, comecei a me interessar pela biografia dos autores aos quais lia e relia, com sede de palavras autênticas, que maravilhavam e, ao mesmo tempo, traziam a realidade tal como se apresentava aos seus olhos de poetas e escritores.

Descobri, então, uma particularidade que existiu em quase todos eles, após começarem a escrever: alguns tiveram visões de futuro, outros simplesmente ouviam vozes, que os levavam a escrever mais, outros morriam muito cedo e pobres, e muitos se suicidavam.

Mário Quintana tinha o personagem do homem da capa preta, que vinha, todos os dias, buscar uma poesia escrita por ele.

A partir de uma crônica que escrevi no meu primeiro livro em homenagem aos Expedicionários Brasileiros, comecei a receber comunicações de soldados que já tinham morrido - e que participaram da 2ª Guerra Mundial - relatando sua morte longe da família, a saudade que sentiram dos familiares, a vontade de voltar para casa, e, enfim, a morte em campo de batalha.

Também recebi comunicações do meu falecido pai, dizendo da sua saudade de todos nós, e contando como estava lá no outro plano de vida: uma colônia dedicada aos expedicionários brasileiros, que ele sempre visitava.

A grande novidade, porém, foi uma regressão à distância, que recebi de Entidades ligadas - de alguma forma - com o Exército Brasileiro do mundo oculto. Me ofereceram uma regressão junto ao meu pai, referente à guerra. Queriam limpar minha mente e a de meu pai de qualquer carma em relação à guerra, para que ele pudesse seguir adiante, tranquilo, e eu também.

Descobri, então, que sou a filha pragmática de meu pai, a que carregou com mais força a memória da guerra que ele viveu.

Saleti Hartmann
Professora/Pedagoga e Poeta
Cândido Godói-RS
 
SURPRESAS DE QUEM ESCREVE...