https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Goticos.Tradicionais

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Goticos.Tradicionais

Beije-Me Cowboy

 
 
Quebre meus ossos
Preste atencao
Ame-me
Beije-me cowboy

Corte seus pulsos
Rasgue suas pernas
Beije minha boca
Beije-me cowboy

Boca a boca
Sem batom
Face a face
Beije-me cowboy

Olhe esses quartos
Tapetes sujos
Olhe as janelas
Vidros quebrados
Olhe aqueles olhos
Aqueles olhos negros
E no espelho
No espelho seu corpo vejo
As paredes brancas
Espere por mim
Espere
Espere por mim

Prostitutas
Travestis
Face a face
Beije-me cowboy
Raspe suas pernas
Pegue meu quadril
Ame-me
Beije-me cowboy

Ame-me
Beije-me
Ame-me
Mas puxe o gatilho.

Letra da musica Beije-me Cowboy da banda Arte no Escuro
 
Beije-Me Cowboy

A Mais Triste Manhã

 
 
Treme o céu
Treme o ar
Cai as luzes
Vão ao mar

Qual o grito distante?
Tão distante a ecoar

Cai o céu em prantos
Como um anjo a chorar
Densas nuvens escuras
Cai a noite
A noite cai

Me arrasto pelo chão
Em minhas mãos podes pisar
Como Abushi e Botafor
Que ninguém quer mais tocar
Busco um canto pra ficar
Longe de qualquer lugar
Por favor, não me erga do chão
Pois sozinho hei ficar

Letra da música de mesmo nome da banda Vultos
 
A Mais Triste Manhã

Carmim

 
 
Teus olhos na noite
Me dão o sinal
Faz-me teu rio
Tua casa enfim

A lua rosa
O avesso do mal
Tua verdade, faz parte de mim

As flores, teu corpo
Desejo carnal
Amores no fogo
Vermelho carmim

Em cada caminho
Uma luz no final
Em cada mentira
Um pouco do fim

A noite
Um mar sem fim...
Meu amor
A cor carmim

Poema da musica de mesmo nome da banda Jardim Do Silencio
 
Carmim

Casulo

 
 
E fechado, E lacrado
E inviolavel, nao se abre
Nao se racha, nao se quebra
Nao se esmigalha
E opaco, e denso
E turvo, E intransponivel
E largo, e vazio
E sombrio, e tetrico
E escuro, e solidao
E pesadelo, e depressao
-dentro dele: eu

Letra da musica Casulo da banda Modus Operandi
 
Casulo

Duelo de Ratos

 
Veja o que diz, diante ao estado morto
Já não suporta a cólera cega
Meu fraco, teu ódio, duelo de ratos
Veja o que faz diante de mil olhos tortos
Vida só tenho uma, sou falso mágico
Meu fraco, teu ódio, duelo de ratos
Veja se suportas o caos em descompasso
O final do duelo entre ratos e ratos

Poema da música de mesmo nome da banda Modus Operandi
 
Duelo de Ratos

Videira Da Morte

 
 
Sangue religioso de ateus e fanáticos
Sua licergia purifica deuses e mortais
Desde os primórdios enegrecidos em túmulos de carvalho
Deus dos líquidos em mim evapora

Transpiro sangue, choro vinho
Sou um deus que somente os ateus acreditam
Bebo e brindo a vida que morre em mim
Da uva nasce céus e infernos

No sangue coagula o vômito
Até quando o fim tem várias garrafas
Filho fiel e ébrio
Filho fiel e ébrio

Sob seu domínio vejo demônios
Efeito sagrado em crises neurais

Apenas um trecho da música de mesmo nome da banda Almas Mortas
 
Videira Da Morte

Sob Pressão

 
 
Procure em seu íntimo uma salvação
Uma saída, uma solução

Procure em seu íntimo uma salvação
Uma saída, uma solução

Fora de controle, quimicamente destruído
Mentalmente fortalecido
Vivendo em dor angustiante
Fale-me sobre o que é dor
Fale-me sobre as faces da tristeza

Talvez possa arrancar isso do meu peito
Pelas entranhas
Vejo além da minha existência
Que todos acham que seja depressão
Ai vem uma vida inerte
Formas consumidas em ódio e dor
Em ódio e dor
Em ódio e dor
Em ódio e dor
Em ódio e dor
(Em ódio e dor)
Que vai à lugar nenhum
(Em ódio e dor)
Que vai à lugar nenhum
(Em ódio e dor)
Que vai à lugar, que vai à lugar, que vai à lugar nenhum
(Em ódio e dor)
Que vai à lugar, que vai à lugar, que vai à lugar nenhum não
Sob pressão

Música de mesmo nome da banda almas mortas
 
Sob Pressão

Rei dos Condenados

 
 
"Chega um momento para todo vampiro quando a concepção de eternidade se torna temporariamente insuportável
Viver nas sombras, sugando sangue nas trevas, tendo a si próprio como companhia, se torna uma existência solitária e vazia
A imortalidade parece algo bom, até você perceber que irá passá-la sozinho"

Cambaleando e sangrando
Com dor e ódio no coração
Observo a maldade humana
Marchando em minha direção
Amaldiçoam-me, perseguem-me
Não entendo por qual razão
Minha fé foi esquartejada
E devorada pela multidão
O caminho que escolhi
É o caminho que me leva daqui
A ajuda que te pedi
Me tire, me tire, me tire daqui
Protejo-me com minha armadura
Armadura de tecido preto
Preto eu me visto por fora
Pois preto eu me sinto por dentro
Em meu castelo, meu refúgio
Há séculos sou um moribundo

Sou o rei dos condenados
Sou o rei de todos vocês.

Texto da música de mesmo nome da banda Almas Mortas.
 
Rei dos Condenados

Observador

 
 
Sou um observador
Observo você comer
Observo você se vender
Observo a sua dor

Sou um observador
Observo você ir
Observo você vir
Observo você partir

Sou um observador
Observo você sorrir
Observo você sentir
Observo você dormir

Pois eu sou um observador
E observo a sua dor
E observo a sua estirpe
Caminhando para o esquife.

Texto da música de mesmo nome da banda Almas Mortas
 
Observador

Conceição

 
 
Eu enxergo morte onde há concepção
Espinho onde só há flores
Crepúsculo no alvorecer
Desertos onde existem mares
Desolação onde há jardins
Velório onde confirmam o campeão
Pesar onde há alegria
Sofrimento para quem tem esperança
Treva onde há luz
Rugas onde há juventude
O diabo onde há a cruz
Guerra onde há romeus
Caim onde há fraternidade
Fogo onde dizem haver Deus
Discórdia onde há unanimidade
Chuva se precisam de sol
Tempestade onde basta a chuva.

Texto da música de mesmo nome da banda Almas Mortas
 
Conceição

Outro Trago

 
 
Acabo de acender
O meu ultimo cigarro
Imagino pessoas transando em seus carros.
Volto p'ro meu quarto,
Apesar de não sair.
Mesmo se quisesse,
Não tinha a onde ir.

No rádio todos dizem
Que amam alguém
Na tela todos fingem
Beijar alguém.
Quero associar
Me relacionar
Antes que eu volte ao outro trago.

Trechos da musica de mesmo nome da banda 5 Generais
 
Outro Trago

Elegia

 
 
Minhas pupilas estão dilatadas
Nada enxergo durante o dia
Oriento-me pelo som dos velcros
Das crianças sujas

Nas paredes rachadas imagens de pessoas
Que não me conhecem: - Eu as idolatro
Não me divirto mais como antes
Depressivo fico à beira do fim

Me alcoolizo, me entorpeço,
Rogo aos deuses pelo paraíso
E tomo o cálice de cianureto!

Trechos da música de mesmo nomes da banda Lupercais
 
Elegia

Vencidos

 
 
Olho a olho no teto do quarto
Eu e os meus sonhos corremos o ar
Olho a olho e os copos tão sujos
E a dor dos vencidos nas mesas do bar

Trecho da música Vencidos da banda Arte no Escuro
 
Vencidos

Canção de Ninar

 
 
Enquanto você dorme
Frente fria chega na cidade
Enquanto você dorme
Mendigos que vão sofrer
Enquanto você dorme
Chacina acontece na cidade
Enquanto você dorme
Pivetes que vão morrer

Enquanto você dorme!
Enquanto você sonha!
Será que você dorme?
Será que você sonha?

Letra da música de mesmo nome da banda Modus Operandi
 
Canção de Ninar

O Amor Vai Nos Dilacerar

 
Quando a rotina corroi
As ambições são pequenas demais
Ressentimentos sempre evoluem
E as emoções ficam para traz
E vamos mudando o caminho
Estradas diferentes demais

Eu vou, vou subir lá no céu e queimar.Toda dor que em me ainda a.

Por que esse quarto é tão frio
E você virada p'ra traz
Será que meu tempo falhou
Ou o respeito não existe mais
Mais ainda existe atração
Que logo se desfaz

Você grita durante seu sono
Os meus fracassos banais
A um gosto em minha boca
O desespero não me deixa em paz
Será que algo tão bom
Simplesmente foi deixado p'ra traz

Música de mesmo nome da banda Deadpop.
A música é uma tradução de Love Will Tear Us Apart do Joy Division
 
O Amor Vai Nos Dilacerar

Cinzeiro

 
 
Será que é névoa
Ou apocalipse?
Vamos tomar nosso café com hecatombe
Nesta breve manhã nuclear
Gritos e alarmes e carnes em choque
Troféu-cinzeiro da nova maratona de armas

Adeus, mamãe
Eu vou pro cabaré
Não tenho hora pra voltar

Pois hoje à noite
O mundo acabará
E não tem hora pra voltar

É que o mundo nunca se foi...

Letra da música de mesmo nome da Luiza Fria
 
Cinzeiro

Luiza

 
 
Levanta Luiza
E saia dessa tumba!
O Sol já se pôs
E não há mais penumbra

Levanta Luiza
E suma da minha mente!
Não me faça medo
Estou ficando demente

Eis o mistério de uma tal Luiza
Ninguém sabe quem é, mas conhece a sua história
Uns dizem que é uma donzela
Outros um travesti
Tem quem arrisque um palpite
Será que ela é um javali?

Quem é Luiza, Luiza quem é?
Quem é Luiza, Luiza quem é?
Será que é feia ou disfigurada?
Quem é Luiza, Luiza quem é?
Quem é Luiza, Luiza quem é?
Mostre-me sua cara,
Luiza quem é?

Levanta Luiza
E saia do armário!
Não tenha vergonha de certos comentários
Levanta Luiza
Verdades ou mentiras
Estou curiosa em saber se és fria

Música de mesmo nome da banda Luiza Fria
 
Luiza

Amor de Outono

 
 
(Foi um vento que passou que te trouxe e te levou)

Amor de outono lagrima de inverno.
Amor de outono lagrima de inverno.

Querida, eleva-me a gloria do paraíso...
Depois abandona-me no martilho do inferno.
O meu brilho te ofusca?
O meu amor te sufoca?
Eu sou estranho?

O nosso beijo já não é mais doces
Deitados juntos tão perto e tão distantes.
Perdemos o dom de amar.
Perdemos a cumplicidade e o respeito.
Do amar, nasceu o desamar.
O nosso amor congelou, secou e morreu dentro do peito.

(Foi o vento que passou que te trouxe e te levou).

O nosso riso foi afogado em lagrimas
E dado como morto e enterrado.

(Foi o vento que passou que te trouxe e te levou).
(Amor de outono, gloria do paraíso, lagrima de inverno, martilho do inferno).

Minha dor você nunca sentiu
Seu sorriso nunca me pertenceu
Habitamos galáxias distantes
Acenamos um longo adeus.

(Foi o vento que passou que te trouxe e te levou).

Letra com música de mesmo nome da banda Almas Mortas
 
Amor de Outono

Ponto De Vista

 
 
O que muitos chamam de ódio
Eu chamo de energia
O que muitos chamam de solidão
Eu chamo de companheira
O que muitos chamam de caos
Eu chamo de nova ordem
O que muitos chamam de tristeza
Eu chamo de natureza
O que muitos chamam de morte
Eu chamo de evolução
O que você chama de doença
Eu chamo de arte

É apenas uma questão
De ponto de vista
Você tem a sua opinião
Eu tenho a minha

Texto da música de mesmo nome da banda Almas Mortas
 
Ponto De Vista