https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de toquim63

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de toquim63

NÃO

 
Quis escrever-te um poema,
Cantar-te sons de amor.
Nas letras, como espadas ...
Mostrar-te a minha dôr.

Quis continuar a sonhar-te
Fonte viva e intensa de prazer ...
Mas dói-me ...
Olhar-te entre os outros ...
Ver-te a partir sem voltar:
Como cigarro que queima,
Nos dedos do escritor a criar.
 
NÃO

LIBERTA-TE PARA AMAR

 
Sinto o teu corpo e alma presa
Numa alta e forte prisão
Que por escura te oculta a beleza
Do corpo, da alma, do coração

Uma parede larga de cimento
Te cega, esconde e ofusca
Solta-te, vive o sentimento
Liberta-te para aquele que a ti busca

Não desistas não tenhas medo
Vem, procura uma janela
Põe fim a esse teu degredo
Que o Sol te ilumine através dela

Aquele que te ama assim há-de ver
Assim ele te irá encontrar
Tão depressa livre possas ser
Quão puro e doce o seu amar

E eu que te incito e anseio
Esse dia, que também sempre quis,
Em que tu a ele ames sem receio.
Aí, também por ti ficarei feliz
 
LIBERTA-TE PARA AMAR

NOITE

 
É noite, os meus olhos ardem.

Entre as folhas de um arbusto

Atrás do vidro da janela do teu quarto

O teu corpo surge sublime

Eis finalmente o momento que esperava

O coração fica pequeno e no entanto

Bate cada vez mais forte.

O teu homem dorme.

Eu admiro-te, ali, tão perto e tão longe

Olha-lo, recostas-te na cama,

procuras o interruptor do candieiro,

olhas a janela,

sorris e apagas a luz.

Tu sabias, ...
 
NOITE

FLAGELAÇÃO

 
Como poderei ter sido tão estúpido
Usar tais palavras e tanto mal te fazer
Foram estas como espadas e te feriram
Preferível era continuar perdido…
Desprezo me dás e que mais de ti posso ter?

Como posso ter ousado magoar,
Aquela que por mim chama há tanto tempo.
Explicar-te, por palavras não ter sabido,
A fraqueza, a loucura de um momento
Que agora sei, não dever nunca ter existido.

E agora que irremediavelmente te choro
Porque a perda que me trazes é tão maior
Que o gozo e luxúria que outra me deu,
Que jamais teu castigo será pior
Que aquele que a mim próprio imponho eu.
 
FLAGELAÇÃO

VOLTEI… PELO TEU OLHAR

 
Quando há tanto tempo parti
Abandonei tudo e fugi
Quis pôr tudo de lado
Abandonar o passado
Esquecer todas as pessoas
E até as coisas boas

Foi duro demais para mim
Não consegui até ao fim
Não resisti a esta vontade
De sonhar-te com verdade
Ouvir música com o coração
Não,… a mim mesmo disse não

Voltei para te encontrar
Para parar de sonhar
Para por fim te sentir
Pra te poder ver sorrir
Ver o brilho dos olhos teus
Quando se fixam nos meus
 
VOLTEI… PELO TEU OLHAR

A TI MULHER, ESPOSA, MÃE...

 
Hoje cheguei a casa… cansado
Tu sorriste-me
Dei-te um beijo… sumido
Abraçaste-me
Sentei-me no sofá… estoirado
Ajudaste-me
Esperei o teu jantar… apurado
Serviste-mo
Nem os filhos quis ouvir… fatigado
Deitaste-los
Sujei a sala de estar… havia futebol
Arrumaste-a
Esperei-te na cama… impaciente
Atrasaste-te
Encostaste-te para fazer amor… era tarde
Dei-te um beijo
Virei-me… agora não faço
Ouvi ás escuras
Antes assim…
Estou morta de cansaço
 
A TI MULHER, ESPOSA, MÃE...

SEI QUE HÁS-DE VOLTAR

 
Fugiste
Deixaste-me agarrado ás lembranças
Nem o teu cheiro comigo ficou
Para me ajudar a recordar.
Tenho a alma triste de sentir
A tua ausência e falta,
Já só me resta esperar…
Enquanto uma lágrima rola;
E como a tua recordação...
Que forte dói no meu peito,
Cai e se esmaga no chão
Como se de morte fosse o leito.
Não mais implorarei tua volta
Como mendigo uma esmola.
Se verdade tinha a jura,
Para quê esta revolta?
Este grito desabrido?
Se a paixão sempre perdura
Neste amante desvalido,
Mais vale esperar tua volta
Suportar a dor deste peito ferido
 
SEI QUE HÁS-DE VOLTAR

UMA BORBOLETA

 
Chegou o frio!
Já foi o tempo do calor
As folhas caem,
O Outono vai o Inverno chegou.
Não gosto desta paisagem sem cor.

A melancolia das noites frias
Vai-se apoderando de tudo.
As tristezas sentem-se mais,
A solidão apodera-se de mim
Em cada momento que paro.

Tudo fica cinzento,… desagradável
Procuro algo que me possa aquecer
Que de belo, me faça sorrir
Parece que tudo é inabalável
Nem um pássaro… que ao longe canta
Consegue quebrar esta frieza.

Vou sair!!...
Vou fechar os olhos e vou embora
Algures hei-de encontrar a cor,
Algo que me desperte o sorriso.
Vou por esse sonho fora…
Vou encontrar uma flor,
Tão longe quanto for preciso.

Rápido como um cometa
Lá de cima procurarei uma flor.
Ou talvez uma borboleta…
De cores garridas e brilhantes,
Que no meu sonho queira voar
E para a terra das flores me levar

Guiado pelo seu cheiro voarei.
Cheiro de rosas e amores-perfeitos,
Doce como o mel do paraíso,
Com ela sobre ele deslizarei.
Sobre mantos de pétalas feitos
Num sonho que o Sol aquece.

De sonhar não acabarei
Para não acordar enregelado
É bom ter quem não nos esquece
Que tenha connosco o mesmo sonho
Quem nele esteja ao nosso lado
Quem sempre no sonho aparece.
 
UMA BORBOLETA

A VER O MAR

 
Sentei-me numa pedra a ver o mar,
A olhar toda aquela imensidão.
Um casal jovem a namorar
Nos seus sorrisos vi a ilusão.
Nos seus olhos via-os trocar,
Juras e promessas para uma vida,
Que sonham longa e de esplendor.
Mas há que saber viver…
Coleccionar os momentos especiais,
Outros menos bons com muito amor.
Viver todos eles intensamente,
Como se não houvesse mais.
E a cada dúvida que surgir…
Não deixar que seja semente,
Não esperar o que está para vir,
Mas esclarecê-la rapidamente.
Com sadia discussão…
E partindo com confiança,
O outro tem uma explicação.
Não mates nunca a esperança.
Que alimenta a vossa chama
E que sempre a vai mantendo
Pois todo aquele que ama
Por amor pode estar sofrendo.
 
A VER O MAR

AQUELE INSTANTE

 
De que vale a esperança
Em um momento tão esperado
Se logo que o tempo avança
Eu perco o desejado

Fica apenas a ilusão
Daquele momento passado
A curta satisfação
De um instante tão sonhado

Mas vale a pena mesmo assim
Ainda que curto o momento
Ter-te apertada a mim
Leva-me qualquer tormento

E se o fim não é festejo
Desse momento acabado
Nasce-me de novo o desejo
Do teu corpo apaixonado
 
AQUELE INSTANTE

CONSTANTE-MENTE

 
Teu olhar atraente
Nesse corpo dormente
Põe-me inconsciente
Coração não mente
Amar intensamente
Mas doce, docemente
Esconder de toda a gente
Tudo aquilo que se sente
Mostrar-se tão friamente
Quando tudo é tão diferente
Amar-te loucamente
Amar-te infinitamente
Coração que comanda a mente
Deixa correr de repente
Vive esta paixão tão quente
Tão doce e tão quente
Infinitamente ...
Decididamente ...
Mente.
 
CONSTANTE-MENTE

FOGO ARDENTE

 
Senti-te chegar devagar
Em silêncio de mansinho
Em ti pousei meu olhar
Senti aquele teu cheirinho

Na lareira o fogo ardia
Ouvia-se o seu crepitar
A luz mortiça que fazia
Convidava-nos a amar

Sentas-te ao meu lado
Abraçamo-nos docemente
Senti-me tão amado…
Despimo-nos lentamente

A paixão subiu no ar
O ambiente aqueceu
Nem o fogo a queimar
Ardia tanto como eu

Depressa o tempo passou
É assim se estamos bem
Quando o serão acabou
As nossas forças também

Mas o cansaço que ficou
Era pouco se comparado
Com o amor que sobrou
No nosso coração guardado
 
FOGO ARDENTE

O PRESENTE

 
Saboreio o tempo em que estou
da melhor maneira que sei
Não esquecendo o que passou
mas apenas porque o passei.

O que lá vem,...virá
depois havemos de ver
quem estiver cá,... estará
por ele, o sono não vou perder
 
O PRESENTE

VENTOS GELADOS

 
O vento frio na minha janela
Traz um cheiro até mim
Que me faz lembrar dela.
De um sonho sem fim

A sua atitude franca
Naquela beleza impar
Sua pele neve branca
Seus lábios de fazer sonhar

Dos olhos tenho saudade
Não só pela expressão
Mas pela sinceridade
Com que me dizem não

Nem posso acreditar
Que foi só um sonho meu
Bom era não acordar
Dormir no regaço teu

Palavras doces e bonitas
Que dos teu lábios saem
Sossegavam a alma aflita
De sentimentos que traem

Não me pode sufocar
Mas não o quero perder
Esse sonho não vai acabar
O coração não vai esquecer
 
VENTOS GELADOS

NAMORO

 
Se não te tivesse encontrado
Se sozinho estivesse na vida
Viveria… ou estaria afundado
Numa existência fútil… perdida

Desiludido, cansado de procurar
Sonhando contigo a cada instante
Como barco sem água, sem mar
Como alma penada…, errante

Como seria sem ti este caminho
Tu, a razão intensa do meu viver
Cruzar toda esta vida sozinho
Ou com outra qualquer mulher

Bendito o instante em que te vi
Que os meus, teus olhos foram encontrar
As horas em que conversando te conheci
Aquele tempo em que te aprendi a amar
 
NAMORO

PARECE QUE FOI ONTEM

 
Procurei-te do mar à serra
Procurei-te por todo o lado
Em cada canto da terra
Não te vi, ali ao meu lado

Quando teus olhos achei
Senti um fogo a acender
Desde esse momento te amei
e sinto nosso amor crescer

Todos os dias ao acordar
Vejo-te ali ao pé de mim
Nunca parámos de namorar
Todo os dias são de S. Valentim

Vemos o tempo a passar
Mais de vinte anos já lá vão
Que bom desejar-te e amar
Que bom sentir esta paixão

Lembrar quando nos conhecemos
Lembrá-lo hoje juntos os dois
Parece que ontem o vivemos
Mas já passou tanto tempo depois
 
PARECE QUE FOI ONTEM

VALERIA A PENA?

 
VALERIA A PENA?
Queria poder estar contigo
Acariciar-te com a minha mão
Mas ir para perto não consigo
Tenho-te sempre no coração

È melhor estarmos distantes
Que sentir-me a ti abraçado
Podíamos nos tornar amantes
Esquecermos o nosso outro lado

Apagar tudo por instantes
Levados só pelos sentidos
E longe de tudo, bem distantes
Amarmo-nos como perdidos

Pele na pele, o desejo a subir
Lábios e línguas que se tocam
Corpos enrolados a convergir
Sexos excitados que se provocam

Ficaríamos de luxúria tomados
Satisfeitos com o prazer carnal
Nossos corpos exaustos, cansados
Mas ao voltar sentir-nos mal

Será que eles merecem?
Aqueles que em nós confiam?
Que connosco sofrem e vivem
E tudo só porque nos amam.
 
VALERIA A PENA?

OLHOS VERDES

 
No céu azul, nuvens brancas
Por entre elas raios de sol
Vinham iluminar a relva
De um jardim inventado

Esperei por ti hora após hora
Dias e dias sem fim
Sem nunca sentir desespero
Para te poder ter agora
Tremer de emoção ao te ver
Desejar que viesses para mim

Esse corpo lindo de mulher
Apertar entre os meus braços
Teu cabelo cor do sol acariciar
Deslizar as minhas mãos
No veludo da tua branca pele
Inventar o verde de um jardim
Como esses lindos olhos
Quando olham para mim.
 
OLHOS VERDES

O MENINO E A BORBOLETA

 
Olho a parede branca na minha frente
Como se de tela de cinema se tratasse
Passava o filme que não quero perder
Saltei para a primeira fila de repente
Queria ali estar quando começasse
Desde o início, eu não podia perder

Era a história de um pobre menino
Que vivia feliz na sua aldeia
A sua família linda adorava
Mas desde muito pequenino
Que se sentia uma criança feia
E nem com as outras brincava

Mas um dia tudo isto mudou
Algo de belo aconteceu
Que dali em diante o fez sonhar
Uma linda borboleta encontrou
Falou com ela, mas não a prendeu
Acordaram de ali se encontrar

-Bom era tê-la sempre comigo.
Pensava ele quando sozinho
Melhor vê-la ali, que a perder
E dela se fez grande amigo
Todos os dias fazia o caminho
Para estar com ela e a ver

Ela sempre aparecia linda
Radiosa nas cores e no voar
Ele até de brincar se esquecia
Ia sem fazer os deveres ainda
Só para tão perto dela ficar
Que até voar com ela parecia

Mas um dia ela não vinha
Ele estava triste e sozinho
Por fim quando ela apareceu
Nos olhos dele uma luzinha
Tratou-a com muito carinho
Quando sentiu que a perdeu

Dali em diante foi diferente
Ela nem sempre lá estava
Ele tinha culpa e sabia a razão
Porque tudo mudou de repente
Porque dele ela já não gostava
Já quase nunca vinha à sua mão
 
O MENINO E A BORBOLETA

CONFIANÇA

 
Vê lá bem como é o amor
Que te traz triste e irado
Quando tu pela tua flor
Te sentes tão apaixonado

Mas aquela flor que é só tua
Também outros a podem ver
Sensual e esbelta pela rua
Sabê-la a passar te faz sofrer

Mas repara bem onde passa
Tantos vêem mas não tocam
Sua beleza impar que trespassa
Nossos olhos nela se focam

Mas os olhos lindos que tem
Por lá espreita seu coração
Revelam não pensar em ninguém
Apenas em ti que és sua paixão

Se a queres e amas de verdade
Sempre vais ter de acreditar
Não queiras saber a saudade
De a ver partir por desconfiar
 
CONFIANÇA

To Quim