https://www.poetris.com/

Poemas de esperança

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares da categoria poemas de esperança

Amo talvez todos os minutos escuros aprofundam 💕

 
Amo talvez todos os minutos escuros aprofundam 💕
 
Amo talvez todos os minutos escuros
Horas que se aprofundam, segundos
Que se fundam no profundo do meu ser

Sombras na mente dos meus sentidos
Neles encontrei os meus dias já vividos
Entre as palavras de uma solidão imensa

Noite sem pressa em cada instante estreito
Dor estampada nos olhos como uma flor
Na voz do limbo os poemas das estrelas

Como se o manhã escondesse talvez o amor
Verdadeiro, num castiçal de prata sem esperança
Das pedras intemporais em palavras incrédulas

Ternura nas lágrimas, pelos livros dos outros
Então senti o vento como se fossem nuvens
Dos meus próprios sonhos que se erguem

Em emoções, aprofundam-se nas horas difíceis
Na esperança que tu meu amor apareças aqui.

Olho o céu, conto as estrelas
Para não me esquecer
Que viver amando
Deixam lágrimas de felicidade
No meu rosto.

✿ 💕

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Amo talvez todos os minutos escuros aprofundam 💕

As folhas das letras atravessam os carris do destino

 
As folhas das letras atravessam os carris do destino
 
As folhas das letras atravessam os carris
Elas desconhecem as linhas do destino
Chegam à estação na vertigem do silêncio
Viagem atribulada feita na escuridão dos túneis

O poeta escreve nos caminhos mais nocturnos
A morte desvenda o mistério de um rosto triste
Os labirintos da alma são a solidão do corpo
Palavras secas no palato da nossa memória

No silêncio descrevo com esta sonolência
Poética onde invento ninhos feitos de ilusões
Palavras por escrever, por dizer tantas vezes
Sussurradas nas páginas brancas do poema

Dor sentida de lamento nas esquecidas letras
Onde atravessam os carris da nossa curta vida
Viagem atribulada esta a nossa, do destino incerto
A morte desvenda o mistério da vida mal vivida.

🍂
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
As folhas das letras atravessam os carris do destino

Ó mar que me queimas 🦋

 
 Ó mar que me queimas 🦋
 
Ó mar que me queimas
E calas este meu corpo
Nas ondas enlaçadas de dor
Como relâmpagos de navalhas

Ó mar que dos astros caem
No vazio de um céu estrelado
As raízes sepultadas no oceano
Morto que se recusa a morrer

Ó mar que não rompas a sepultura
Nas labaredas de tanta perfeição
Sem o ciúme das ondas do meu ser
Na renovada solidão que me é imposta

“A morte é certa
E a vida
Não é uma tatuagem”
🦋🍁🌻
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
 Ó mar que me queimas 🦋

A morte afaga todos os meus sentidos frágil e gelado ♥

 
A morte afaga todos os meus sentidos frágil e gelado ♥
 
A morte afaga todos os meus sentidos
Neste meu corpo frágil e gelado
Voa a minha alma num papagaio de papel

Por este céu brilhante, onde queima o sol
Areia branca ou talvez vulcânica
De pedras grandes e pequenas onde ferem os pés

Pés descalços à beira do mar
Deixamos as mágoas, as dores do corpo
Onde a morte afaga os pensamentos

Frágeis, soltos e débeis
Deste meu corpo já tão frágil e gelado
A solidão assusta-me

E ao mesmo tempo seduz-me
Mas não quero estar sozinha
A tua ausência dói em mim

A minha alma chora, a tua em mim
Sobre a mesa está uma carta
Que fala sobre os nossos sonhos

Sonhos, sonhados e não realizados
Tantas coisas de nós, os dois
Escritas numa simples folha de papel

Tantas passagens de nós dois
Das nossas viagens, dos nossos passeios
Vividos e passados em família

Não importa onde iremos amanhã
Nem onde iremos parar
Eu só quero é estar contigo (amanhã)♡

🌹💕

♡🌹💕
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
A morte afaga todos os meus sentidos frágil e gelado ♥

✿Ó mulher que desgraçada és e tão aventurada te sentesღ

 
 ✿Ó mulher que desgraçada és e tão aventurada te sentesღ
 
Ó mulher que desgraçada és e tão aventurada te sentes
Que ris quando o teu coração sangra
Que choras com as lágrimas da felicidade
E te escondes das dores que te matam tantas vezes
Ó mulher que amas sem nada dizer
Mesmo quando o teu coração te manda gritar
E a tua alma geme amargurada no teu peito
Ó mulher que nasces tão fraca e te tornas tão forte
Tantas vezes adorada e outras desgraçada
Que sentes desejo da vida e dás também vida
Num sonho doce entre um simples lamento
E mesmo assim com paixão sorris para o mundo
Com o peso que tantas vezes carregas nos ombros
Ó mulher que desgraçada és e tão aventurada te sentes
Que amas com tanta intensidade como vives nesta vida

🌼👑👒
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
 ✿Ó mulher que desgraçada és e tão aventurada te sentesღ

Vendaval de sentimentos 🌸

 
Vendaval de sentimentos 🌸
 
Vendaval de sentimentos
Num regaço de palavras deitadas
Ao vento esquecidas, perdidas
Num silêncio do tempo vago
Ausência vestida e nua, recanto rebelde
Solitário bordado nos olhos de cor púrpura
Onde o rio seca da madrugada vazia
Deposita a dor, a paixão de um coração corpo
Onde termina a tristeza e começa o amor?
Há palavras escritas que deixam saudade
Soltas que deixam amor, paixão
Que parecem que as beijamos
Que nos deixam a esperança
Tira-nos da escuridão
Solidão e abandono
Feliz de quem ama e sofre amando
Amar é sentir, sentir é viver
Viver de amor da paixão sentida
No corpo, na alma, sofrida e perdida.!

🌸
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Vendaval de sentimentos 🌸

Se tu soubesses

 
Se tu soubesses

Se tu soubesses meu bem
quanto eu gosto de ti.
Guardei-te no coração
porque uma ternura assim
acho que nunca senti.
Mesmo que o teu ardor
por mim, não seja igual
dá o teu a quem quiseres,
nem por isso eu deixarei
de te querer bem, afinal.
Enraizada no meu âmago
não vale a pena lutar
seria uma luta injusta
fazer-te este pedido
…se me pudesses amar!
Seres o Sol da minha vida
seres a Lua feiticeira
ficar nas nuvens pairando
sem medo dos altos voos
ó, poesia fagueira
pois tenho de confessar,
nunca estás longe de mim
dou por ti, suspiros e ais
e noitadas de prazer
só por te amar tanto, assim.
 
Se tu soubesses

Ouve-me

 
Ouve-me

Ouve a minha voz que te não vejo mais presente
no meu pensamento que sempre te quis ou desejei
sussurro, clamo, grito no meio de tudo ou de nada,
mas o eco vai e vem, mas quando chega diz: não sei.

Um sentimento de perda, um vazio desventurado,
amargura, a fatal agonia que se entranha na alma.
Depois o pensamento sempre sensato, aclara-se
escolhe a solução com domínio e vontade, acalma.

A noite é boa conselheira a almofada o confessor
as lágrimas oferecem-se ao lençol ainda acordado
aguardando a esperança ao chegar do alvor!

Outro dia, outra aurora vem despertar o meu olhar
a vontade de viver que parecia querer esquecer,
e chega de novo o amor que me abraça e vem beijar.
 
Ouve-me

A noite avança com os olhos cansados🌻

 
A noite avança com os olhos cansados🌻
 
A noite avança com os olhos cansados
Silêncio da rua é medonho e tristonho
Madrugadas das memórias veladas
Com lamparinas de azeite
Onde não se vê, que se sente, "mas"
Sente-se tudo o que se vê
Perderam a esperança dos bosques
Das serras nunca habitadas
Cada vez nascem menos deuses
Duendes, escondidos entre as fragas
Giestas, sobreiros, choupos
Cultivam os seus jardins floridos
Onde grita os ventos nos muros da noite
Toca o sino da torre da igreja
Almas em desespero, dos desafios
Cansaços, incertezas e destinos
De alguém que parte para nunca mais voltar.

🐾🌻
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
A noite avança com os olhos cansados🌻

Dentro do meu peito•⊰ 🌺

 
Dentro do meu peito•⊰ 🌺
 
Dentro do meu peito
Existe um amor aveludado
Cheio de pétalas de várias flores
Dentro do meu corpo
Existe um ninho
Onde descansa uma guerreira
Dentro da minha alma
Existe uma pedra, uma cruz
Feita de momentos de oração
Onde peço perdão, com o terço na mão
E confesso-me com actos e omissões
Dentro do meu coração
Existe um rio que me lava a mente
Que ilumina-me, de tudo aquilo que eu sou.

🌹╭•⊰ 🌺
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Dentro do meu peito•⊰ 🌺

O rio transborda de dor chuva de fragas 🌸

 
O rio transborda de dor chuva de fragas 🌸
 
A chuva cai intensamente
O rio transborda nas margens
Lameiros cheios de água donde
A ponte velha de fragas vai submergir

As lágrimas descem na saudade
A solidão perdeu o ar e não se consegue ver
A alma chora o que é inevitável
O coração sofre como a chuva que cai

Onde o rio transborda de dor
Num mundo de ilusão, sem sentimentos
Um temporal de emoções , voz amarga
Gasta de esquecimento, ferida no horizonte

A chuva cai o rio vai transbordar na ponte
Das lágrimas perdidas
Na dor, com um sinal de esperança
A angústia que falo que o amor às vezes

Faz sofrer demais ausência de alguém
Aquela que por ti sofre na solidão
Angústia tão grande deixa-me tão vazia
Faz parar no tempo tira-me a alegria

Faz-me ter medo lindo segredo
Jamais esquecerei jamais o terei
Sei que nada sei sinto o que falei
A dominar o olhar que descobriu não ouviu

Poderá me tirar a angústia de que falo
Que sinto, que vejo sou a tempestade que passa
O tempo que foge a flor de um jardim
O aroma do café um perfume forte

Uma carta rasgada as dores de alegria
As lágrimas de esperança na chuva de fragas

🌸👒
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
O rio transborda de dor chuva de fragas 🌸

*Encontro-te perdido sem corpo♥

 
*Encontro-te perdido sem corpo♥
 
Encontro-te perdido sem corpo
Pilares do olhar na memória
Que a sombra te guarda
Tear de agulhas que dilaceram
Na luz que destroem as almas
Vinho de fios leves na linha de água
Que vai correndo nos secos ossos
Tábuas secas de veneno, corpo morto
Dividido ombro que ampara no leito da sua morte
Nos farrapos que despedaça, sustento da vida
Coberto de oceanos em estranho errante
Nas curvas de campos floridos de dor
Encontro de pó em blasfemos sentimentos
Neste teu leito de morte já sem corpo

“Que os anjos durmam
Sempre ao nosso lado
Em silêncio nos nossos sonhos”

🌺🍁🌹 ♥

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
*Encontro-te perdido sem corpo♥

Árvores despidas nuas de folhas🍁

 
Árvores despidas nuas de folhas🍁
 
Árvores despidas
Nuas de folhas
Espalhadas no chão
De todas as cores

Ramos que assustam
Na noite fria, escura
Feita de esquecimentos
Sombras de retalhos

Troncos que guardam
Segredos, ressentimentos
Trapos estendidos
Rasgados na tempestade
Atirados pelo vento.

🌺🍁
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Árvores despidas nuas de folhas🍁

Os meus passos

 
Os meus passos

Os meus passos vacilantes, subindo o monte,
é íngreme, escorregadio, mas tenho coragem.
Vou subindo devagar e cheia de precauções,
vontade e persistência serão a minha imagem.

Socalcos exigem perspicácia, leveza, agilidade
pular bem ou com a força mental elevar a pulso
um corpo fatigado de vários anos peregrinando
mas que a ânsia de aspirar mais alto dá impulso.

Penoso, doloroso quanto sofremos na escalada
a saudade, sede que não mata a bilha de água fresca
só o consolo da brisa divina sempre afeiçoada!

Das quedas ergo-me, as feridas lavo-as no açude,
atado o lenço branco, tudo serena e se aquieta,
subindo, passo a passo chegarei, Deus me ajude!
 
Os meus passos

O Deus Que Habita Em Mim!

 
O Deus Que Habita Em Mim!
 
O Deus que habita minh'alma,
Vem da aurora dourada
Com seus raios vivificadores
Que renovam as Esperanças e a Fé
Para um novo dia...

Vem dos lírios dos campos e
Dos jardins floridos...
Vem do crepúsculo do Sol com
Seu espetáculo de cores douradas
No horizonte...

Vem da noite enluarada
Com suas estrelas brilhantes,
Reluzentes, estrelas cadentes
E sua Lua encantada...

O Deus que habita minh'alma,
Vem do divino orvalho
Da madrugada
Com suas gotículas prateadas
Caindo sobre as flores delicadas...

Vem do lindo azul do mar,
De toda à natureza,
Das matas verdes e igarapés,
Cachoeiras e do lindo
Canto dos passarinhos
Como o canto do rouxinol e
Do bem-te-vi...
Vem dos Salmos de Davi....

O Deus que habita minh'alma
É o Deus do Amor, da mística rubra flor,
Do peregrino e trepidante beija-flor,
Dos nobres sentimentos
E enlevados pensamentos...

Vem da chuva que faz brotar...
Vem do místico arco-íris
Com suas cores sutis...
Vem da melodia
Da inspirada poesia...

Enfim, o Deus que habita em mim
É o mesmo que está em toda parte,
Em tudo e em todos,
No meu e no teu coração,
Somos filhos da mesma criação,
Do mesmo Pai Criador,
Portanto, somos todos Irmãos,
Filhos do Amor!

Elias Akhenaton
 
O Deus Que Habita Em Mim!

A força de um poema

 
Conheço o mundo segredado
pelo calor de agosto
mas a soma de todos os medos
magoa-me os sentidos
e oferece-me uma inércia que dói,
uma dor tão profunda
quanto o mar…

e descanso os olhos sobre a janela
do cansaço…

dirijo-me à porta da alma
e vejo que chove
um silêncio de gotas minúsculas…

saio e rasgo o vestido
desbotado, de costuras
cosidas a linhas pobres…

recebo cada gota
no milagre da minha pele
de braços abertos
num abraço único e só meu

e danço de pestanas cerradas
a música que tropeça
na saliva da minha boca,
e sinto-a percorrer
a valsa plana
nas curvas das minhas margens…

danço o feitiço das horas
germinadas na minha vontade
como num mergulho sem mar…

danço o impulso do sorriso
que a felicidade emana do perfume
a terra molhada
de uma sofreguidão lânguida…

e sinto-me feliz!

A escuridão oculta as angústias
e a chuva lava-me a flor de sal
que encubro na pele…

adivinho o planeta
que as mãos aconchegam
no vinho da embriaguez
que tem a força de um poema!
 
A força de um poema

Sonhos perdidos, esquecidos de amor ღ ಌ

 
Sonhos perdidos, esquecidos de amor ღ ಌ
 
Sonhos perdidos, esquecidos
Mãos sofridas de amor
Desencantos sombrios das manhãs
Ouve-se o piano sozinho e triste
Esperança que não sentes
Num lenço de seda sem alento
Musica, melodia tocada
Suave magia antiga de um dia iluminado
Mulher de cabelos soltos
Rosto despido de dor, amor, saudade
Beijo perfumado, vinho seco fresco
Delírios de sedas e cetim
Corpo aninhado
Suado embriagado de todo querer
Nos braços do amado
Verte uma lágrima de sal
Num mar de ternura e carinho

🌻
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Sonhos perdidos, esquecidos de amor ღ ಌ

✿A água limpa o corpo*

 
✿A água limpa o corpo*
 
A água limpa o corpo
Limpa a mente, limpa a alma
A água purifica o corpo
Purifica a mente, purifica a alma

Somos os cegos que não querem ver
Somos comprados, manipulados
Enganados, explorados
Somos a verdade, a humildade

Somos as trevas, a escuridão
A solidão, escravos do corpo
Choramos de pranto com as águas
Que limpam o corpo, a mente, a alma.

♥༻༺♥
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
✿A água limpa o corpo*

Onde me findo me fortaleço🌺

 
 Onde me findo me fortaleço🌺
 
Onde me findo me fortaleço
Começo no reverso da rigidez
Nas mãos deste anoitecer eterno
Entre a plenitude do ventre

Que brotam as flores das horas
Que compus nos ponteiros parados
De uma sentida obra inacabada
Num coração partido de dor maior

Onde os mortos resgatam os vivos
De despida esperança que ganha raízes
Num amor já esquecido com galhos fortes
Entre cinzas em melodia de sonhos estendidos

Findo, fortaleço, mortifico todo o meu vazio

🌺
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
 Onde me findo me fortaleço🌺

Um Novo Capítulo II

 
Um Novo Capítulo II

Adeus, pela última vez.

Me vou, de vez eu vou embora
Em frente, sem olhar para trás
Tudo já foi bem pensado
Com um só resultado

Eu estou indo ver outras paragens
Sorver essas milhentas aragens
Que me irão fazer renascer

De nada adianta insistires
Já se gastaram todos os perdões
E caso não saibas, os encontrões
Com que fizeste tua vida a me dar

Nos olhos levo pauzinhos a abri-los
Não vás tu me tentar iludir de novo
Vou deixar a cidade e mudar de rio
Esse meu destino é escolha minha

Por uma vez, não irás mais mandar
em todas as minhas razões e ideias
que as décadas passaram tão rápido
e apenas tu comandaste essas rédeas

Vou embora com o espirito livre e
Vou dançar todo o tempo que me apetecer
Com a música aos gritos
Vou voar no trapézio alto de um jardim

E daqui a nada já chego ás estrelas
Ansiosas de me conhecer e brilhar
Já reservei o meu poiso na querida Lua
E tirando o chapéu ao Sol me despedi

Falta-me ir beijar e abraçar o meu Tejo
Que me deu tantas telas mágicas
E agradecer-lhe por todas as nuvens
Passageiras de chuva muito necessária

Adeus, estou partindo e vou em frente
Estou indo pela última vez, vou

Fuuiiiiiiii

Figueira da Foz, 2 Outubro 2016

Maria
a que se cansou de ser flor e se deixou fazer semente
num outro lugar junto a um rio que corre para o mar.
 
Um Novo Capítulo II