http://spumis.pt/
 
Poemas -> Dedicatória : 

Quadras ao Alentejo

 
A poesia é assim,
Bonita e luzidia,
Se fosse um bom poeta
Fazia-a.

Tentei rimar duas quadras
Lá na frente dum sobreiro,
Mas as quadras não saíram,
Por inteiro.

Triste e desmotivado,
Fui à casa do compadre;
O coitado fora enterrado,
P'lo padre.

Para aliviar as mágoas,
Mandei vir uma chouriça;
Estava dura de roer,
Qual cortiça.

Corri, andei, procurei,
Sem encontrar uma musa;
Vi lá longe uma ceifeira
De blusa.

Cheio de sede e de fome,
Sem conseguir as cantigas;
Fui comer a Barrancos
Umas migas.

Barrancos estava em festa,
Em festa de toiro bravo,
Vi um coitado a levar,
No rabo.

Vou terminar estas quadras
É assim o Alentejo,
Só tenho saudades dele,
Se o não vejo

 
Autor
maduro
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2570
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
flavio silver
Publicado: 26/02/2008 19:15  Atualizado: 26/02/2008 19:15
Colaborador
Usuário desde: 24/09/2007
Localidade: barcelos
Mensagens: 1001
 Re: Quadras ao Alentejo
esteve muitíssimo bem nas suas quadras que são autenticos hinos ao alentejo.
eu tb lámorei, 3 anos.
muita fixe.
um abraço compadri

Enviado por Tópico
Alberto da fonseca
Publicado: 26/02/2008 19:43  Atualizado: 26/02/2008 19:43
Colaborador
Usuário desde: 01/12/2007
Localidade: Natural de Sacavém,residente em Les Vans sul da Ardéche França
Mensagens: 7078
 Re: Quadras ao Alentejo
Com que então compadre, você fez aqui em linda poesia uma bela homenágem ao celeiro de Portugal.
Não querem lá ver, que este magano é mesmo Alentejano!...
Gostei compadre
Um abraço amigo

A. da fonseca

Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...