https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

roupas que visto

 
Menti-te
através dos silêncios ermos,
roupas que visto; vi-te
inteira, sem meios termos,
antes de ti.

janela
onde as grades moram,
as liberdades choram
ornamentos de uma cela.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
607
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 12/11/2009 20:05  Atualizado: 12/11/2009 20:05
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4763
 Re: roupas que visto
Preso à poesia
é bom que não saias,
que saiam poemas
assim, vestidos de ti.
Beijinho