https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

Repito, redigo, não sei na verdade ...

 
Repito, redigo, não sei na verdade
se o que sinto é loucura ou se é saudade,
se é um gemido, um lamento, de uma voz de verbo,
se uma voz chorosa, tal qual um vento,
se um clame fogoso, de um rejubilado cíclame
cultivado num vaso ou navio,
deliberadamente à janela de um gosto.

Na boca rubra do beijo só sinto o desejo
a percorrer-se. Impaciente, impetuoso,
nas conchas da chama, da carne ondulada,
na carne enrugada
de deusa prescrita nos templos de bruma,
em faros soprados, em arames farpados,
em desertos dotados de sal e de mágoa,
em melancolias de dunas, d’areias,
sem transumância de gados.

… vazio o deserto nos vazios dos prados
dourados a verde, na tua ausência,
na tua sede.

Nesta noite que venta, na noite que ofega,
que nos sopra, do ventre à boca,
em alienações de entrega,
em velas sem rumos
navegam nebulosas nas pétalas
já secas de imaculadas rosas

E dos seios de mulher
escorre-se agora, na exactidão do leite,
a certeza maior, de p’ra sempre te amar
de jamais te esquecer,
de te me consagrar, se te oferecer,
a pele da alma - a alma teu porto -,
do findar do dia até ser dia
de amanhecer.


MT.ATENÇÃO:CÓPIAS TOTAIS OU PARCIAIS EM BLOGS OU AFINS SÓ C/AUTORIZAÇÃO EXPRESSA

 
Autor
Mel de Carvalho
 
Texto
Data
Leituras
1167
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Le Tab
Publicado: 10/07/2007 18:27  Atualizado: 10/07/2007 18:40
Membro de honra
Usuário desde: 02/02/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 1460
 Re: Repito, redigo, não sei na verdade ...
Não sei me repito, se nego dizendo tantas vezes a mentira que se torna uma verdade absoluta, ou se é mesmo a pura verdade da qual eu sinto...Nunca saberei pois, finjo que até deveras sinto, transformando-me num ser irreal, mas consciente do que leio e o que leio de ti, é sempre inspirador e sempre uma nova lufada de ar fresco e de alegria ao te ler. Por isso jamais me cansarei de te ler, e reler tudo o que escreves, mesmo que seja um sentimento que não sei explicar, transformando a mentira em verdade a verdade em mentira. E no final de tudo isto acabo por me repetir e ficar entrelaçado nas teias deste comentário confuso, quando apenas quero dizer que gosto do que escreves. Beijos

Enviado por Tópico
Paulo Afonso Ramos
Publicado: 10/07/2007 18:38  Atualizado: 10/07/2007 18:38
Colaborador
Usuário desde: 14/06/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2094
 Re: Repito, redigo, não sei na verdade ...
Repito
És uma grande Poetisa
redigo
Mel, parabéns por mais uma preciosidade
não sei na verdade...
se, algum dia vou parar de elogiar-te!

Um beijo para ti, Mel


Enviado por Tópico
juvepp
Publicado: 10/07/2007 20:25  Atualizado: 10/07/2007 20:25
Colaborador
Usuário desde: 13/04/2007
Localidade: Machico - Madeira
Mensagens: 547
 Re: Repito, redigo, não sei na verdade ...
Olá Mel, Não há dúvida que é um poema de grande fôlego, bastante descritivo, ou seja, com uma adjectivação muito expressiva. A temática do amor não correspondido é sempre uma temática dorida. Beijinhos