https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

SALGADOS CRISTAIS

 
 

Sombria a malva manhã ainda hesita
iluminar o que dizer querias.
Gélida a face em mármore seguias
sem que a neve pena de amor derreta.

Senhor, dói-me! Culpa não tens de tanta
amargura encontrar noites e dias.
Nada deves por ver nostalgias
d’alma agonia que a teu amor espanta.

Escorrem cristais... No silêncio o fim
pela pena sentenciado entendi.
Enlouquecida sopra a brisa: “sim!”

q’eu, Alma Sofrida, teu Amor não perdi.
Se tua dita Amorosa tendes a mim,
grita, Poeta, que morro por ti.

 
Autor
dellacoelho
 
Texto
Data
Leituras
873
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
eduardas
Publicado: 30/07/2010 22:42  Atualizado: 30/07/2010 22:42
Colaborador
Usuário desde: 19/10/2008
Localidade: Lisboa
Mensagens: 3731
 Re: SALGADOS CRISTAIS p/DElla
Um soneto quase lembrando Camões, que já pouco usual, mas belissimo.

Parabéns!

bj
Eduarda


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/07/2010 23:04  Atualizado: 30/07/2010 23:04
 Re: SALGADOS CRISTAIS / dellacoelho
A Eduardas tirou-me as palavras dos dedos ! Sem dúvida , um soneto ao estilo camoniano no seu melhor, lirismo de primeira água ! belíssimo. Parabéns.