https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

 
Comendo o pó do tempo
da ampulheta quebrada
sobre o tapete de chegada,
esconde-se a angústia
nas rugas da desilusão
de não ter amado
o quanto deveria,
de não ter vivido
o quanto deveria,
de não ter sentido
o quanto deveria,
de não ter perdoado
o quanto deveria,
de não ter se apaixonado
o quanto deveria,
de não ter se arriscado
o quanto deveria,
de não ter clamado
o quanto deveria,
de não ter tido
a humanidade latente
em sua essência
ao menos uma vez.
Comendo o pó do tempo,
torna-se a própria areia
do esquecimento.


Open in new window


Imagem: A Face Oculta, de Beatriz Peixoto.http://beatrizpeixotoartes.blogspot.com




 
Autor
RomuloNarducci
 
Texto
Data
Leituras
781
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
0
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.