https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

A LENDA DA CHUVA

 
Tags:  amor    alma    chuva    anjos    corpos    missÃo    lenda  
 
No regaço das nuvens descansavam os anjos. Longas eram as suas asas brancas e seus cabelos negros como as noites sem luar.
Receberam os anjos uma missão: plainar sobre a terra e entre árvores, e entre olhares e arroios, e por entre brisas e alguns carinhos. Deveriam despertar o cheiro de rosas com cuidado entre dois corações.
Desceram à procura, atentos às dimensões dos corpos de mãos dadas, procurando pelas vidas que passam, aprendendo a linguagem do lugar e suas leis.
Miraram a paisagem, estudaram os princípios, correram invisíveis entre as casas, deslizaram sobre o leito de rios serenos, ou nas tormentas das madrugadas.
Dois corpos vieram através de um caminho. Uma alma ia. A outra vinha.
Os anjos estremeceram. Invocaram cantigas e sonhos, estrelas de um plácido lugar. Cantaram em coro, os anjos, e entre parreirais, e entre figueiras, e entre flores de pessegueiros, e entre as pedras das ruas, iam cantado os anjos porque viram dois corpos que passavam, leves como a sombra que passa, silenciosos em suas próprias recordações.
Os anjos postaram os olhos nos olhos do corpo que vinha e do corpo que ia. E suspiraram os anjos, e entrelaçaram os dedos, felizes, e ternamente entoaram a canção do amor eterno para os corpos que passavam. Era a missão deles.
Os corpos que iam e vinham cruzaram-se pelo caminho. Olharam-se. E não se reconheceram. Continuaram seu rumo incerto, seus vestígios, suas mãos e seus passos pelo caminho.
Os anjos perderam-se de suas direções. Seus versos desaprenderam a memória cantada. O dia prolongou-se imóvel na sua perfeição mais pura. Imobilidade nos amanheceres seculares. Silêncio nas asas do mundo. Nas bocas dos anjos. Nos corações dos anjos.
Contemplaram os anjos, os dois corpos que se cruzaram, mas não se reconheceram. Não reconheceram o amor.
E assim, contemplando o amor nascido morto, os anjos choraram pelo que deveria ter sido e não foi.
Recostados nas nuvens, não suportaram as águas nos olhos: infelizes os anjos verteram lágrimas sobre a face da terra.
Um murmúrio de gotas em ventos suaves nas folhas, em riscos agarrados a grandes trovões no céu se ouviu. A chuva cumpriu-se áspera e às vezes serena à margem da vida.
E o amor, de cinza se recobriu.
 
Autor
RitaSchultz
 
Texto
Data
Leituras
1650
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/09/2011 17:40  Atualizado: 06/09/2011 17:40
 Re: A LENDA DA CHUVA
Achei uma lenda chuvosa mas doce...
Parabéns...

Frank_Mike


Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 06/09/2011 17:46  Atualizado: 06/09/2011 17:46
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8368
 Re: A LENDA DA CHUVA
gosto de histórias que terminam bem, mas reconheço que esta está muito bem contada e tem uma grande beleza triste que escorre pelos olhos de quem lê.
bj Rita


Enviado por Tópico
zzipperr
Publicado: 06/09/2011 19:36  Atualizado: 06/09/2011 19:36
Da casa!
Usuário desde: 23/04/2009
Localidade:
Mensagens: 304
 Re: A LENDA DA CHUVA
Diziam no passado que a chuva é poderosa, capaz de fazer a vida brotar. Quando se ama na chuva sementes de amor são levados e espalhados pela enxurrada de suor fazendo o amor se espalhar pelo mundo...assim os anjos se amaram..