https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

INNUENDO (TRANSVERSAL E KARLA BARDANZA)

 
Open in new window

Quadro de René Magritte


Qual cavalo alado,
sem um corno saindo indolentemente
das brumas do todo sempre,
qual innuendo estranho onde as asas são atraídas
para o fogo de uma vela numa casa velha,
qual bruxa diante das borbulhas
de sua mente quase má,
ajoelho, buscando de novo
um pouco de ar.

E a casa queria-se um castelo
perto do nada, suspensa pelos
olhos de Magritte ou talvez um
castelo de cartas como divinação
e contradição.
E a casa era igual ao melhor pedaço
de mim: aquele mesmo que procuro
não sentir em meus surreais vôos
e verdades.

Oh! Triste a minha sina, como um fado que canta
debaixo de uma ponte sem ferro ou flor.
Oh! Triste a minha sina de pó e terror,
de rápido encontro com os meus mundos.
Apenas sou e se sou devo ser o que já não
sei mais deixar de ser.

Vi o mar, sim, e quis um poema perfeito, sim...
Mas não te procurei, não te quis encontrar...
Não desta forma quando pouco já sei,
quando fecho os olhos para cheirar os sonhos
e ser forte e ser fraco e ser alguém.Quero
tanto, tudo que possa justificar
e ser um pouco de magia.
Quis o corpo.

Quis a alma também, mesmo utópica,
mesmo sem gémea ou atalho de outra,
quis a alma impura disso que faz-me
maior e brando, quase rei,
quase santo e céu.

E ao longe vi profetas, deusas indianas,
algumas gregas, como os vasos partidos
nos barcos adormecidos em fossas escuras
[...tão profundas...tão perto...]

E pronto...

Qual cavalo alado, irei como vim.
Sou os troncos que entram pela janela do teu quarto onde te baloiças nas noites,
pensando em mim
e em minhas viagens sem volta.

Não temas...
Não chores...
Deixes-me ir.
Fugir para dentro do branco,
do que engole o destino
e estreita a morte.

Qual cavalo alado,
sem uma asa saindo tonto
das nuvens cansadas,
qual innuendo estranho onde as palavras são
sangue, punhal e maldade,
qual bruxa lambendo
a pele de sua melhor vítima,
ajoelho para cair
dentro daquela paz,
morrendo
mesmo,
morrendo
agora,
morrendo mais.

Transversal e Karla Bardanza

 
Autor
Karla Bardanza
 
Texto
Data
Leituras
930
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
2
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 15/10/2011 04:21  Atualizado: 15/10/2011 04:22
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: INNUENDO (TRANSVERSAL E KARLA BARDANZA)
Ah.... O Olhar de René Magritte.

Obrigado Poetisa, pelo momento, pelo Innuendo, onde tudo começa, onde tudo acontece num curto espaço de um ou de dois seculos. Tudo é tão curto
"mesmo
morrendo
agora,
morrendo mais"

Obrigado. Silencio-me. Obrigado.

Abraço-te Poetisa.