https://www.poetris.com/
 
Textos : 

Retrato da memória [12]

 
Sentada na soleira da porta, de cabeça ligeiramente baixa como quem dormita,
descansava o tempo de uma vida inteira enquanto esperava... ninguém entendia o que pudesse esperar naquele ermo onde não passava viv'alma, mas esperava!
Esperava o que por certo sabia não ir chegar nunca.
No olhar míope que não conseguia esconder por detrás daqueles fundos de garrafa, esvoaçavam as penas das asas que tanto desejara, mas que, como maldição, se transformaram nas raízes que se lhe alongavam dos pés e se estendiam pela terra adentro, prendendo-lhe o corpo ao lugar onde apenas poderia esperar a morte.


Open in new window



*... vivo na renovação dos sentidos, junto da antiguidade das lembranças, em frente das emoções...»

Impulsos

coisa pouca

 
Autor
cleo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
533
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.