https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Numa Cave [do Mesmo]

 
Fala-me. Fala comigo.
Quando acabares o teu trabalho, fecha as janelas e bate-me à porta. Entra com as mãos nos bolsos e encolhe os ombros. Senta-te no sofá, ou no chão, como preferires.
Queres chá? Queres café?
Não, obrigado. Também só tenho comprimidos para dormir. Alimento único, ultimamente.
"O que te aconteceu?" - encolhes o ombro, mais uma vez.

O medo vai-nos enterrar, quaisquer das formas.
Rasga o peito e despe a pele.

Quando eu falei com o Andreas, ele prometeu-me que iria ficar tudo bem, que não me irias abandonar, que não irias esquecer a cidade do Nada - onde fomos criados.
Doce mentira.

Fizeste as malas e viste a luz.
Saboreia-a, cospe-a. Mastiga-me entre a Realidade e o meu medo de mudança.
Sabes, conheces-me bem. Eu não pintaria o céu de azul se ele fosse laranja da primeira vez que eu o tivesse visto.

O que temos aqui? - O som do silêncio, o pensamento eloquente, tudo o que a Natureza retém e que eu não posso manter refém e eterno.
Oh, eu preciso do que já não existe! E corrói-me...

Dói, arde e queima quando o medo de crescer faz com que até as personagens da tua mente cresçam e te abandonem no teu receio do mundo lá fora, fora dos limites do teu crânio. Dói quando nada respeita o teu medo do Tempo, sabendo que ele é de palavra e não volta atrás para buscar algo ou alguém deixado no antes, nem para endireitar uma linha desenhada torta.

O que andas a fazer, Bruno? Onde está o Jumbie?
-Numa cave.

Ouvi dizer que essa cave é do tamanho do mundo e ilumina-se com o Sol.
Até vocês me abandonaram.

Engulo mais um comprimido e deitada na cama, espero pelo efeito. Só mais uns segundos até chegar à nossa cidade.
Mas vocês estão a desvanecer, vocês morrem perante a desilusão da pessoa que me tornei, aquele que nem vocês, nem a Pequena, alguma vez aceitariam.
Antes dormia por vocês, agora durmo sozinha.

Estou cansada, estoirada. E confusa. A solidão consoe-me como a escuridão corrompe a Luz.

Eu já nem sei o que digo, e sinto-me a dizer sempre o mesmo. Estarei obcecada, ou simplesmente encurralada? Ou, até mesmo, esgotada de motivos para viver?

Jumbie, eles chamaram-me louca.
Toda a minha vida me chamaram estranha, doida, psicopata, maluca... e começo a acreditar.
Outras vezes nem sequer me viram a loucura, entre todas as tentativas de sorrisos baratos.

As vozes da minha cabeça balançam-se e já nem sequer falam uma língua concreta. O que estão elas a dizer?

Tens medo? - Medo?
Sim, de admitir que o tenho.

Odeio a Realidade, odeia a actualidade.
E tu? Tu nem sequer deverias crescer, tu vives em mim, tu não tens esse direito. Criei-te eterno. Mas, mais uma vez, eu sou a senhora de nada. A senhora de um outro mundo que nem sequer tive forças para criar direito.

"Não cresças".

Até falta do David tenho.
Diz-lhe que estou bem, que não me vou estragar.
Promete-lhe a mentira, já que eu não posso visto que ele vive dentro de mim e me lê tudo.
Mas, como todos vocês, nem ele já me parece perto ou concreto.


Dói-me a barriga, os meus joelhos afogam-se em cãibras.

Hoje desenhei-te. Desenhei-te um olho, o nariz, a boca... metade do teu rosto.
E teria acabado, se tivesse forças. Ou memória.

Nem garra para me lembrar do inesquecível tenho.

Não sei o que se passa comigo, porque é que tudo se está a ir embora, a desfocar-se. A vida parece-me sugada de todo.

És a minha coisa favorita de pintar.
Adoro materializar-te, por fim. Adoro dar-te um rosto numa folha de papel virgem.

"Amo-te."

Ouviste? Ou estará a minha voz também a desfocar-se?
Será uma questão de tempo até deixar de ser audível, parece-me.

E quando eu já não te puder falar, fecha as janelas na mesma e fala, fala tu comigo.

Lau'Ra
 
Autor
Lau'Ra
Autor
 
Texto
Data
Leituras
704
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AdTe
Publicado: 10/07/2012 12:32  Atualizado: 10/07/2012 12:32
Da casa!
Usuário desde: 28/03/2011
Localidade:
Mensagens: 340
 Re: Numa Cave [do Mesmo]
Vou ser o mais sincera que posso,
tendo em conta as limitações que
se atravessam atraves deste teclado:
a poetisa Lau'Ra é autora das melhores prosas,
poesias que ja tive o prazer de ler aqui neste site!

É ler, e ficar ali presa até ao final... e depois deste,
ficar à espera de mais!

Os meus sinceros parabens e um obrigada
por partilhar!


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 06/09/2012 13:09  Atualizado: 06/09/2012 13:09
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16212
 Re: Numa Cave [do Mesmo]
Bom dia!
Linda poesia, suas palavras são fortes e me emociona!
Parabéns!Um grande abraço!