https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Bizarro

 
Vem-me um suspiro. Não consigo permanecer intacta

Só quero deitar-me sobre um manto branco, em relvas como as inglesas, verdes como a cor da esperança, húmidas como o pulmão do sapo, rasas como a minha alma, e deixar-me ao sol, nua.
Deixar-me vulnerávelmente invulnerável.

Procuro-me em plataformas de suburbanos de destino fixo, quando eu nunca tive um.

Quero deitar-me sobre um manto branco e nunca fechar os olhos.
Quero consumir o murmúrio dos patos que ao de longe se ouve, como se caíssem gotas de chuva venenosa em lodos empapados; quac, plac; como consumo os gritos da minha insatisfação!

Os pêlos dos braços eriçam-se-me.
Arrepia-me toda esta vibração interior de raiva.

Revolto-me. Revolto-me ao ponto do som do despedaçar do vidro, com som de quem me manda parar, ao ponto do rasgar da pele, da dormência física, ao ponto da cegueira total.
Revolto-me ao acordar, revolto-me contra mim mesma. Não há mais ninguém a culpar.´
Olha bem o campo, fotografa-o nas paredes do teu crânio, crava-o a martelo e cúfia diretamente no osso, em relevo se for preciso.

Olha bem este campo vazio, mudo e isolado

Não há vento. Não há murmúrios e respirações.

A relva apodrece. O cheiro da descomposição do sapo sufoca.

A noite esfaqueou o dia, na sua loucura. O manto branco está ali, estendido sobre a verdura podre, ensopado de ribeiras de raios solares, em manchas abstractas e grossas.
Já não há vida no dia, o manto recorda-o com o seu sangue, com os sinais em linhas recta da pulsação e da simbiose.

Acabou, viva-se a noite e o seus tremores, o espernear das pernas que sacodem o ar na esperança de se sacudirem a si mesmas do seu demónio.

Não há exorcismo possível. O braço irá para sempre arrepiar-se.
A inconclusividade irá para sempre apodrecer a relva, como a raiva poluiu o lago e intoxicou o sapo.

Ali jaz ele, em disposição mole para que em seu redor rastejem bichinhos mesquinhos e detestáveis que lhe vêm comer a carcaça.
Gravo esta imagem a martelo nas paredes do crânio.

Sinto-me melancólica. De mim parece que uma onda, ou várias, se me apoderam e me embalam, não sei se me tentando salvar ou afogar.

É um ciclo. A onda remexe-se num som agudo, enche-me a boca de sufoco e sal.
Depois surjo à tona, flutuo embalada por um som grave, testosterónico, o cântico de uma alma que canta lá de longe no horizonte sem vida, como se me contasse a morte.

Narro-me.
Olha para mim agora, encostada a uma árvore descascada.
Não há cheiro pior que este. Não há cegueira pior que esta.

Descompõem-se os corpos sem vida.
Come-se o bizarro.

Morre o sapo, acende-se um cigarro.
Que belo quadro tatuado no crânio!




Laura A. J.
 
Autor
Lau'Ra
Autor
 
Texto
Data
Leituras
479
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 29/08/2017 12:09  Atualizado: 08/02/2018 19:35
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2015
 .
.