https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

E só passou mais um ano

 
E só passou mais um ano desde aquele eterno abraço.
Parece que foi ontem... ainda sinto meus músculos presos a esse (e.terno) aperto dos ossos.
Diziamos ridentes uma para a outra: "Dá cá esse ossos " , lembras?.

Sei onde estás, sei qque me vês, mas não tenho coragem para ir ver-te, porque sei que não podes vir e eu sei que não posso ficar.

Apesar de me dizerem: "vai...vai lá...vais encontrar paz", eu não quero paz! tenho medo que com a paz, venha o esquecimento da falta que me fazes. Assim sei que te sinto na saudade, na revolta que trago em mim, por aquele e.terno abraço ter tido um fim.

Deves estranhar eu ainda não ter ído visitar-te, levar-te uma flor, como tantas vezes sem motivo te trazia(como se uma flor precisasse de flores!, irónico!).
As orquídias procriam-se com dificuldade e o seu ciclo de vida é curto...devia saber disso Mãe!e aqora não estás aqui.

Amanhã vou tentar de novo...hoje não consegui...,caminhar a alameda e depositar na tua nova morada o beija-flor que trago nos meus braços.

R.I.P
Rest In Peace)


"vivit sub pectore vulmus"
(a ferida ainda vive no coração"


" An ye harm none, do what ye will "

 
Autor
HorrorisCausa
 
Texto
Data
Leituras
1262
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
18 pontos
2
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Ajota
Publicado: 24/12/2007 20:30  Atualizado: 24/12/2007 20:30
Da casa!
Usuário desde: 07/05/2007
Localidade: Caldas da Rainha
Mensagens: 254
 Re: E só passou mais um ano
Por vezes uma lágrima de saudade traz-me outra e outra...

Enviado por Tópico
rosamaria
Publicado: 26/12/2007 23:37  Atualizado: 26/12/2007 23:37
Colaborador
Usuário desde: 10/09/2006
Localidade: Mindelo - Vila do Conde
Mensagens: 1016
 Re: E só passou mais um ano
Olá HC
Não podia deixar de comentar este teu belíssimo texto. Já te disse um dia e repito, adoro ler-te!
Também eu, sinto falta de um terno abraço, tão terno... que doí a ausência. Mas... eu vou sim, caminho a alameda e sento-me na sua nova morada e "tagarelo", riu, sorrio, conto alegrias e tristezas, e aí... sim, sinto de novo o terno abraço! Volto, com o calor do e(terno) beijo!
jinhos
Rosamaria