https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A palavra inquieta o mundo #.#.#

 
.










A palavra inquieta o mundo







A palavra inquieta as coisas
E até o nada se incomoda com o teu olhar,
E se entrega ao verbo e dá à luz este mar impetuoso.

A palavra move a Tu e a mim,
A palavra é causa desse encontro e desse abismo,
Muda e veste uma frase, pior, engravida outro sentido
E basta uma topada na vírgula para nascer outra guerra.

A palavra descarrila o mundo,
Este mundo de regras ortográficas, de entrelinhas,
Mas anêmico de comunicação e,
Sempre à beira de um ponto final.

O que dizer a este mundo que nada quer ouvir?
Lamenta a palavra cheia de fungos e prenhe de conteúdo.
Nada obstante, move as plantas dos teus pés
Em direção ao outro que caminha também sem rumo e sem raiz.

A palavra rasgou o papel em branco, aqui,
Talvez poema, arte miúda nesses tempos de bulimia literária,
Vai amar um solitário no deserto de uma estante,
Neste mundo deserto de almas, neste mundo desabitado de tudo.

Mas, em algum momento desses onde tudo calha,
Alguém vai dizer uma besteira
E a terra vai girar de outra maneira ou,
Talvez pare abrupta e definitivamente.









Milton Filho/23.01.14...

 
Autor
Srimilton
Autor
 
Texto
Data
Leituras
882
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
12
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 30/01/2014 13:57  Atualizado: 30/01/2014 13:57
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
Por vezes penso que as palavras estão gastas, mas ao ler poemas como o seu vejo o quanto estou errada.


Enviado por Tópico
Karla Bardanza
Publicado: 30/01/2014 14:21  Atualizado: 30/01/2014 14:21
Colaborador
Usuário desde: 24/06/2007
Localidade:
Mensagens: 3491
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
Semântica e polissemia são tudo nestes tempos de cólera. Mas, acho que a melhor palavra é ainda a que deixou de ser dita.

Karla B


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/01/2014 14:47  Atualizado: 30/01/2014 14:47
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
Considerando que as palavras não tem valor, exatamente
por seu significado, mas pela entonação, pelo momento
que são ditas, ou pela forma em que se encaixam em
algum escrito, elas serão sempre motivo de
inquietação.

Sempre encontro motivo de reflexão quando leio
seus textos como agora em mais esse poema.
abs.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/01/2014 16:54  Atualizado: 30/01/2014 16:54
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
*um dos escritos mais completo que já li sobre 'ela'...que nos une, separa, nos eterniza, cura ou mata.
A palavra é TUDO para mim.
Genial!
Beijoka*


Enviado por Tópico
andrealbuquerque
Publicado: 01/02/2014 14:15  Atualizado: 01/02/2014 14:15
Da casa!
Usuário desde: 18/12/2011
Localidade: Brasil
Mensagens: 326
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
Palavras.Constroem mundos e demolem universos.Na antiguidade,alguem escreveu: "No princípio era o Verbo" e a religião encampou.Parabéns, Milton.

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 01/02/2014 14:32  Atualizado: 01/02/2014 14:36
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5328
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
uns tempos atras acreditava que o homem era vítima das palavras... mero engano. todos os dias elas são estranguladas pelo homem, mas de vez em quando elas conseguem ser salvas pelo proprio homem, como se percebe aqui neste poema. belo e inteligente, Milton, como sempre.

beijos.

Enviado por Tópico
TecaLima
Publicado: 09/02/2014 15:03  Atualizado: 09/02/2014 15:05
Da casa!
Usuário desde: 15/10/2013
Localidade: Campina Grande-PB
Mensagens: 251
 Re: A palavra inquieta o mundo #.#.#
"A palavra descarrila o mundo,
Este mundo de regras ortográficas, de entrelinhas,
Mas anêmico de comunicação e,
Sempre à beira de um ponto final".

Quando estaciona o verbo, um ponto final corta os pulsos na escuridão e no silêncio de um mundo fétido. Voltamos a ciscar sobre as cinzas dos papéis esquecidos no lixo das bibliotecas.