https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Esquisito

 
Desgraçadas das crianças
Que viviam na minha rua,
Não podiam entrar em festanças
Que lá estava o senhor averigua.

Nada se podia mexer
Sem o homem para nós olhar,
Tinha sempre que dizer,
E muito que protestar.

Não se podia ser criança
Nem uma flor apanhar,
Que o homem na sua rança
Vinha para nos ralhar.

Éramos tantos cachopos
Na rua sempre a saltar
Nas brincadeiras os marotos
Fazíamos o homem soprar

O Lúcio puxava a corda
A Elsa pintava a macacada
O Jorge ia de pião na onda
Eu marcava a palhaçada

Recordo-me do esquisitinho
Que andava sempre a implicar,
Já morreu o coitadinho,
Não o quero incomodar.

Com tantos santos proclamados
Porque não, o Santo Esquisito?
Ele deve estar junto aos redimidos
De auréola deve ter um _ _ _ _ _ _ _ _ (?) .


Cristina Pinheiro Moita /Mim/

 
Autor
mim
Autor
 
Texto
Data
Leituras
420
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.