https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Soneto das falsas premissas

 



Não se permita jamais que a alma vagueie pelos adros antigos,
nem ouvidos dê às vozes sonantes daquele passado assustador,
chancelando espúrios eventos e datas, talvez sentidos amigos,
consoante intimorato volver ali rumo ao pretérito soa tentador.

Saiba quantas seriam as estradas abertas a palavras calorosas,
como a ser tamanha a amargura, não jogue fora o tempo já ido;
a mente será traiçoeira... disposta sempre prosa, a tecer glosas,
gravando como fiel o que não foi dito, só decorado canto doído.

Que se abram as fendas do Hades caso vença o anelo de atrás
novamente com a mente expressa... no desprezo a mergulhar,
seria a menor escorreito... patrocinar como Pilatos a Barrabás.

Talvez só desta vez soe fazer o correto sem as falsas premissas,
porém... oh! não olhe para fora... verá o passado para os céus atear,
ceder às aspirações ... a não enganar a si soendo arcar as remissas.




 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
215
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
erro
Publicado: 06/04/2016 15:15  Atualizado: 06/04/2016 15:15
Colaborador
Usuário desde: 04/03/2016
Localidade:
Mensagens: 845
 Re: Soneto das falsas premissas
Tens razão olhar para trás é perigoso pelos abismos ocultos que aguardam os incautos.

Gostei de ler, meu agradecimento