https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Galopante loucura no estar predileto

 
Insignificante que seja, tal assemelhado à poeira do giz,
não é conveniente deixar a queimar, sublimar a ternura.
Há de ter suspiros, hálitos queimantes colorindo o matiz,
ao mesmo tempo trêmulo, estático, ser ícone de pintura.

Não é pior do que chegar ao derradeiro umbral seleto,
poucos como canhestro Orfeu podem tanger a harpa,
embora se apoiasse no chão a guisa do andar concreto
raros aqueles que nos desvãos poderiam resistir à farpa.

Talvez tantas houvesse presentes medo e vergonha,
jamais a presença poderia ter-se acoimado ao trajeto,
em nada relembram os recursos da aparência bisonha.

Como inerentes ver-se-iam a galope a raça e a loucura,
a ferro e fogo porque mais desagradável ser predileto,
apesar de correr na liça tal páreo eivado da negrura.

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
225
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 02/08/2016 12:33  Atualizado: 02/08/2016 12:33
 Re: Galopante loucura no estar predileto
Sempre atual!
Muito bom!

Abraços