https://www.poetris.com/
Poemas : 

Soneto do nulo pária aditado

 


Ó nulo pária que ora se adita aos contrários,
brusco crê que traiu os códigos primordiais;
avocou a negritude no ocaso dos itinerários,
o hálito pestilento da aluvião dos pantanais.

Num versejar amaldiçoado, a praga viceja,
tal falastrão farfalha imundices aos ventos;
da boca incerta que loas ao insólito enseja,
balbuciar tartamudo fétidos excrementos.

Não estará enganada a visão de triste figura,
com a vã esperança de agraciar quem atura,
incolor e fria a abolição de todas as bênçãos.

Alvitre por vez obrar que seja o peito aberto,
embora os olhos jamais possam ver desperto,
o caminho contrário às odientas superstições

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
140
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.