https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

À Sereia Do Poema

 
Num céu de estrelas turbulentas
Ou num oceano de águas bravias
Vejo-te com pálpebras sonolentas
No serenar das madrugadas tardias...

Cavalos que soltam fogos pelas ventas
Que se arrastam pelas nuvens corredias
Com Apolo nas rédeas das horas lentas
Ditando as regras das noites e dos dias...

Assisto ao espetáculo escoando o tempo
Entre os meus dedos feito grãos de areia
Presos em redomas das ampulhetas antigas.

Assim eu me perco em meu pensamento
Sem cera para ouvir o canto daquela sereia
Que me clama em versos de gestas cantigas.


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
417
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
56 pontos
10
7
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Nininha
Publicado: 16/06/2016 21:57  Atualizado: 16/06/2016 21:57
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2016
Localidade:
Mensagens: 1717
 Re: À Sereia Do Poema P/ Gyl
Que maravilha mais maravilhosa!!
Adorei mais um soneto feito com tanta mestria!
Obrigada por partilhares
Beijos mil...


Enviado por Tópico
geraldocoelho
Publicado: 16/06/2016 22:18  Atualizado: 16/06/2016 22:18
Colaborador
Usuário desde: 14/11/2010
Localidade:
Mensagens: 625
 Re: À Sereia Do Poema
É...meu caro poeta; como resisitir a tal canto?...
========================================
Um bonito soneto, de uma mensagem muito mais bonita ainda!...Meus aplausos e um forte abraço.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/06/2016 13:27  Atualizado: 17/06/2016 13:27
 Re: À Sereia Do Poema
Belo... belo soneto!!
Parabéns Abraço poético


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 17/06/2016 15:32  Atualizado: 17/06/2016 15:32
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: À Sereia Do Poema P/Gyl
Um cheirinho épico e uma delícia de poema, adorei!
Abraço Vólena


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/06/2016 22:02  Atualizado: 19/06/2016 22:02
 Re: À Sereia Do Poema
Fantástico poema!

Abraço