https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Amanhecemos

 
Perto do ponto mais alto
onde só o vento conhece
a solidez do tempo….
que enche os espaços fechados

Ali no centro do poema
que se agita acima das águas
quando por força de um elemento
a terra lhe treme debaixo dos pés

Não sei até que ponto
as asas batem livremente
pois se todo o arvoredo
se despiu do verde da folhagem

Não sei das rimas cruzadas
nos muros xistosos
não vejo os musgos nas eras
do tempo verde-água

As mãos oprimidas
por cima dos olhos
buscam novos versos
nas sombras

Porque a noite quase sempre
nos devolve
os sons das vozes caladas
dentro de nós...

Amanhecemos !

ONIX
 
Autor
ÔNIX
Autor
 
Texto
Data
Leituras
606
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
7 pontos
5
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RibellaSuely
Publicado: 06/08/2016 00:39  Atualizado: 06/08/2016 00:39
Membro de honra
Usuário desde: 04/08/2016
Localidade:
Mensagens: 75
 Re: Amanhecemos
Belíssimo!
Reli e gostei ainda mais!
Deixo meu abraço e a promessa de que voltarei!


Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 02/06/2020 13:30  Atualizado: 02/06/2020 13:34
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: Amanhecemos
Nos cumes onde só o vento chega, o tempo sente-se mais firmemente, enchendo os “espaços fechados” por onde o vento escoa.
Aí, ainda que furtivamente, o poema assoma “acima das águas” quando a terra “treme debaixo dos pés”, originando em nós a urgência do seu tecer.
Talvez seja impossível identificar o efeito das asas (do poema) nesta paisagem que agora se revela e onde “todo o arvoredo” já se “despiu do verde da folhagem” - não sendo mais possível antever, pela observação das folhas, a direcção e força do vento.
Porém, “as mãos oprimidas/por cima dos olhos”, que nos ocultam dos reflexos do poema nos “muros xistosos”, buscam “novos versos” (onde a poesia é agora possível: “nas sombras”).
E, ainda que os “musgos das eras” já não apresentem raízes, “porque a noite quase sempre/nos devolve/os sons das vozes caladas/dentro de nós”, amanhã será um novo dia e, com ele, virá um (novo) possível refazer – onde as asas se poderão, por fim, mover livremente!
Já tinha saudades de mergulhar nestas tuas paisagens misteriosamente poéticas onde essa “voz calada” (dentro de ti) aqui se revela!

Bjs


Enviado por Tópico
Mr.Sergius
Publicado: 26/09/2020 00:36  Atualizado: 26/09/2020 00:36
Da casa!
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade:
Mensagens: 314
 Re: Amanhecemos
Que bela construção. Algumas noites são de fato especialmente gravosas quando no seu silêncio ecoam as palavras que deixamos de dizer. Ainda bem que a manhã sempre chega...