https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Reprimidas

 


Todas as vozes que fogem
da multidão no âmago,
deixo morrer na ponta da língua.
Quem poderia entender as incoerências
articuladas das intempéries do coração?




beirando um mar infinito

 
Autor
MyrellaCasav
 
Texto
Data
Leituras
465
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 26/10/2016 23:04  Atualizado: 26/10/2016 23:04
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1599
 Re: Reprimidas
"...deixo morrer na ponta da língua."
Agradável forma de descrever palavras por dizer. Estavam na ponta da língua, mas em vez de esquecidas, como muitas outras,
" todas as vozes que fogem
da multidão no âmago,..."
são desejos, sentimentos, pensamentos muito individuais que serão incompreensíveis.
Quem poderia? Pergunta por fim o sujeito poético.
Quem será capaz de entender aquilo que muitas vezes o portador do próprio coração é incapaz?
curto e violento.
Gostei, além disso, da linguagem.
Mas o terceiro verso bastou para me cativar.

Obrigado.