https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Desconforto

 
Desconforto da Verdade

A palavra que te faz pensar no fim,
Mesmo que te diga: Continua...
É o não travestido do teu sim,
Se a verdade da mentira se insinua!

Do amargor da verdade, quando é crua
(Necessário desconforto, mas enfim...)
Resta o seu deslumbre, porque é assim
Que a verdade se apresenta: Toda nua!

Mas vieste e quando vi já não queria
Não sabia se amava ou se mentia
O eterno e o inferno, lado a lado.

No meu sim, o fingimento já sorria
Dos teus lábios, era fogo que eu queria
E fui beijar o desconforto anunciado.


Diana Correia/Sfich

 
Autor
Norberto Lopes
 
Texto
Data
Leituras
2583
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 12/02/2017 18:26  Atualizado: 12/02/2017 18:26
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3404
 Re: Desconforto
Uma coisa que sempre me agarra na tua escrita, Nor é a multiplicidade de estímulos. Não, é a multiplicidade das notas de fundo. Hum, ou a plasticidade da matéria-prima?... Não, é mais a harmonia musical que resulta dos trocadilhos, e do sapateado dos versos - num palco onde tudo o que disse atrás se movimenta.

E da tua, Diana? O que me agarra, na tua escrita?.... Bem. É tudo o que atrás disse, mais coisa menos coisa. E mais o alcance profundo dos sentidos. E mais a cristalinidade das imagens. E mais a descoberta insupeita de cada aresta que subtilmente limas. E a docilidade dos contornos. E a beleza das palavras simples, desarmando versos densos de sentimento.

É. Caramba, falar de vós é como ter em mãos o início de um poema e como sedutora inspiração uma história de afectos. E bons olhos que vos vejam.