https://www.poetris.com/
Sonetos : 

NEVOEIRO

 
NEVOEIRO

No pântano triste ouço gritos ocultos
Mefítica bruma meu peito nauseia
Cadáveres rotos na lama, insepultos
Das fábulas restos um louco tateia

Esquálidos corpos, visagens e vultos
Intrépidas setas disparam na cheia
De oníricas chagas saudade, tumultos
Indômitos, zurzem e nada clareia

O cântico doce envolvido em fumaça
Em fúnebre choro transmuto, sem graça
O cândido embalo, teimoso, persigo

No pútrido campo de mágoas horrendas
Patético rito... Que rédeas! Que vendas!
Nostálgico, entrego-me a ti, meu castigo!


Jerson Brito

 
Autor
jersonbrito
 
Texto
Data
Leituras
168
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 04/08/2017 19:35  Atualizado: 04/08/2017 19:35
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15129
 Re: NEVOEIRO
Soneto feito com esmero, com um tema escuro, rimas ótimas, versos em onze sílabas poéticas, num esquema de tônicas seguindo o ritmo 2,5,7,11. Tudo certinho! Parabéns pelo esmero e pelo conteúdo!