https://www.poetris.com/
Sonetos : 

ALARDES

 
ALARDES

Teus lábios purpúreos nos meus imagino
colados, famintos, ardendo em fogueira
enquanto de agrados me cobres faceira
fazendo adejar indomável menino.

Se bebo dos beijos o sumo termino
nos ares de um éden de brisa fagueira
deixando a malícia fluir sorrateira
nas largas entranhas do meu desatino.

Dominam-me as veias nervosas correntes
tomando, oprimindo meus gestos pudentes
até que revelo as vontades, princesa.

Meu bem, necessito que venhas, não tardes!
Não posso calar mais aqui os alardes,
domar essa chama imortal, sempre acesa...


Jerson Brito

 
Autor
jersonbrito
 
Texto
Data
Leituras
166
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 16/10/2017 11:57  Atualizado: 16/10/2017 11:57
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16052
 Re: ALARDES
Poeta
Uau! Esse soneto parece brasa acesa! Adorei!
Parabéns!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 17/10/2017 11:19  Atualizado: 17/10/2017 11:19
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29212
 Re: ALARDES
Um lindo poema edificado pelos mais belos sentimentos de amor