https://www.poetris.com/
Poemas : 

Cana Caiana

 
Acordo cedo e vou cortar a cana,
A cana branca, doce cana branca,
Açúcar branco e bom o Preto planta
Que adoça seu café de Preto e Branco.

A cana eu corto logo cedo e mando
Um canto com encanto. Eu canto a cana,
Eu canto muito o corte, a cana, e tanto
Que, forte, eu sinto o verde cheiro santo

Da cana morta, cana vã, caiana,
Caiada cana verde, cana branca,
Que adoça seu café Preto e Branco
Açúcar branco e bom o Preto planta.

Acorda o mundo pela vil manhã.
Café, o mundo em pé, a cana canta,
O Preto canta a cana, canta o corte
Da cana: A sua vida e a sua morte.


 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
107
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
10
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 07/08/2017 05:36  Atualizado: 07/08/2017 05:36
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1335
 Re: Cana Caiana
Um poema cheio de cores.
Não cheguei a sentir a doçura apesar do açucar.
Baralhou-me o verde às tantas, mas com aliterações encantas.
Além de abordares poeticamente uma questão tão universal como a descriminação com base na cor.
A retrospectiva histórica faz-se sentir.
Coitadas das canas!

Poema também cândido. Sério.
Alguém tem de adoçar a vida.

Abraço irmão


Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 07/08/2017 08:25  Atualizado: 07/08/2017 08:25
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 4877
 Re: Cana Caiana
Bela ceifada aqui descrita, aludindo a mão que da terra extrai o adoçante (cana) de todas as amarguras: adoça café amargo, adoça coração dos homens nas tascas quando lhes aquece a alma com seu ardor.

Abraço!
upanhaca


Enviado por Tópico
Keithrichards
Publicado: 07/08/2017 11:49  Atualizado: 07/08/2017 11:49
Colaborador
Usuário desde: 17/03/2014
Localidade:
Mensagens: 2378
 Re: Cana Caiana
Mãos que nem conhecemos extraem o açúcar que adoça o café do mundo, tudo tem seu valor, a cana verde, branca pronta para ceder seu açúcar as mãos que as cortam, o poeta que narra, canta o valor dessa trajetória!

Poema muito bem construído, como sempre amigo!

grande abraço!


Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 08/08/2017 00:59  Atualizado: 08/08/2017 01:01
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1178
 Re: Cana Caiana
Tema actual. Duro. Brutal. Na contemporaniedade dissimulado.
O que a poesia canta na sua essência é a denúncia.
Quando a cor é um lugar de existir, ou quando ter os pés a ocupar algum espaço que vale milhões!? ( como se escorraça!?) Se houver cor, associa-se a desvio social. Se houver assistência social, desvia-se para outro lado.
Um poema que "acorda" o que se fez do doce em amargo.

Um abraço. Boa escolha do tema e bem trabalhado poema.

Um abraço da branca que sente como preta


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 16/08/2017 20:29  Atualizado: 16/08/2017 20:29
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 28180
 Re: Cana Caiana
Um doce poema, versificando os sentido da cana que exerce uma abrangidura de muitas coisas em muitas coisas, poema belo