https://www.poetris.com/
Artigos : 

METAFÍSICAS À PARTE

 
Tags:  RESENHADO  
 
METAFÍSICAS À PARTE
 
METAFÍSICAS À PARTE

Sempre tive dificuldade em entender o discurso metafísico tanto quanto as grandezas astronômicas. De facto, os conceitos absolutos e transcendentes do Ser pareciam não caber nas palavras comuns, constrangendo os filósofos a lançarem mão de neologismos ou, como faziam normalmente, à ressignificância dos vocábulos disponíveis mediante à redação pormenorizada de conceitos. Assim, na Psicanálise e no Existencialismo, assistimos a contínua criação de categorias ontológicas que fossem capazes de explicar o ser humano em sua condição, em sua dor e, sobretudo, em sua contradição. Sem embargo, atravessados pelo desenvolvimento da Neurologia em particular e das Bio-medicinas em geral, somos convidados n'esse Milênio que mal se inicia a reduzir o Ser Humano à Química Molecular. Sim, nada mais prosaico: "Tenho múltiplas personalidades? Vamos começar com Diazepan 10mg!" - ou ainda: "Odeio tudo e todos, inclusive a mim!" - diz um outro - "Melhor suspender os opioides e entrar direto com o Lítio" - e por ai vai… Que decepção para a intelectualidade dos novecentos! Que absurdo admitir os esforços dos homens e mulheres mais brilhantes do século XX relativizados por um burocrático vade-mécum de medicamentos!… Fazer o quê?…
Bem, seria prudente não desdenhar tamanha produção filosófica ontológica apenas porque outros meios apareceram. Pode-se argumentar que a Filosofia não prescinde de aplicação na solução de problemas práticos ou que a Psicanálise continua à serviço da Medicina na missão de investigar Consciência, Interioridade, Alma ou qualquer coisa que o valha. A realidade, porém, é a latente perda de prestígio de disciplinas diante d'um público que, ao invés de autoconhecimento, prefere buscar narcóticos. O que resta à Metafísica é seu olhar desmistificador, capaz de reduzir discursos pretensiosos a papagaidas conforme o interesse do intelectual de plantão. Por essa e outras qu'eu, faz muitos anos, desisti de procurar verdade em debates intelectuais, sejam os acadêmicos; sejam os judiciários, afinal, mesmo os arrazoados mais rigorosos são contrapostos indefinidamente em réplicas e tréplicas apenas como condição para haver o pensamento ("Vaidade de vaidade! Tudo é vaidade" - já dizia o Eclesiastes…). Não deveria haver vencedores no debate de ideias, sim mútua influência para que cada um dos debatedores saia d'ali com uma percepção diferente da que tinha quando entrou. Refugiados no pensamento abstrato acerca do indivíduo, os metafísicos assistem as disputas ideológicas propostas pela Mídia Eletrônica como se árbitros não autorizados enquanto o público consome avidamente aquela baixaria como se um desporto qualquer, torcendo para um vencedor… Demonstrar incoerências tornou-se um passatempo infeliz para filósofos existencialistas desencantados com seu objeto de estudo já um tanto avacalhado, a saber, o homem contemporâneo em sua interioridade subjetiva.
Não havendo concordâncias, a construção de sínteses também se torna inviável, ou pior, arbitrária. Pelas armas, pelo voto, pelo medo, pela ilusão coletiva, pelas estatísticas, pelas mentiras condescendentes etc… D'um modo ou de outro os fortes dominarão os fracos até que novos e mais fortes dominem os então enfraquecidos, eis como ciclicamente a História se repete há milênios. O povo - a multidão plebeia de desfavorecidos - esse há-de passar de mão em mão, indiferente ou persuadido, observando à distância o xadrez dos grandes… Para alguns, esclarecidos ou nem tanto, restará a antropofagia criativa da Metafísica pela Arte. Evocada pelos artistas em seu caos, a Metafísica senta-se na galeria e se congratula em espalhar abstrações conceituais capazes de dar sentido àquelas pinceladas nervosas ou ainda a instalações provocativas. O vago se encontra com o vazio e as estranhezas se completam, celebrando o casamento entre Metafísica e Arte Contemporânea.
Mas, exactamente por se pôr a serviço dos poderosos, discordo que seja missão da Arte buscar a verdade. Desde entreter até fazer pensar, o que a Arte faz é especular e descrever subjetivamente. Aliás, esse é o poder do método artístico: É livre e mesmo irresponsável no que se propõe. Ninguém em sã consciência deveria acreditar que Deus existe apenas porque um artista tentou imaginar como seria sua aparência e a materializou n'uma tela. Tal liberdade, todavia, é sedutora e continuamente ao longo da História fora convocada pelos Donos do Poder para induzir ao erro seus governados. Celebrizando as imagens de Deus, as monarquias e repúblicas mundo afora buscavam tão-somente um equilíbrio moral capaz de construir a Ordem Social de que necessitavam para continuarem tendo o que governar. O grande argumento em favor da limitação das liberdades individuais sempre foi o temor de assistir a sociedade se fragmentar em tribos, clãs e, por fim, famílias, n'um estado contínuo de todos contra todos, como apresentou tão vivamente Maquiavel em sua "História de Florença". Ou seja, a tutela do Estado e dependência do Mercado são admitidas amplamente pelos homens e mulheres pós-modernos por desilusão ou comodismo ou ambas as coisas. O caos que advém ao rompimento da Ordem Social tal como assistimos on-line desde a Síria, o Iraque e o Afeganistão em seus rios de sangue infindáveis parecem carregar dentro de si a advertência plena contra o cidadão, exortando-o a viver ordeiramente na "terra que lhe cabe d'esse latifúndio" e, por bem ou por mal, viver pagando os boletos que lhe chegam pelos Correios. Em última análise, existir é pagar para ver.
Sempre me causou profunda espécie que justamente a Alemanha de Weimar - Pátria da Bauhaus, da Fenomenologia e da Psicanálise, junto com seus satélites germanófonos - viesse a se tornar berço do Nazismo e túmulo de etnias inteiras em plena era da Modernidade! Sim, pasmo de ver os aforismas de Nietzsche sendo usados para modelar um Super-Homem ariano, nobre e ilimitado visto que livre de Deus e inteligente o bastante para sepultar moralidades pré-industriais. Oh sim, pasmo de reconhecer o carácter de Heidegger como nazista de carteirinha e alçado a Reitor-substituto por seus pares nazistas. Aparentemente, a Metafísica do século XX renunciou à tentativa de entender o homem moderno pós-cristão e passou subsidiar fundamentalismos desastrosos como o Eurocentrismo… Esvaziadas as ideologias pelo embate francamente militar da Guerra Fria, o desinteresse pela possibilidade de entender o homem sem Deus em sua moral relativista tornou a Metafísica um território paradoxalmente desabitado e vazio, pois, à margem das questões levantadas pelo Socialismo Internacionalista d'um mundo pós-colonial mas repartido em distintos níveis de desenvolvimento econômico. A questão já não era apenas "o que é a vida/existência" - como provocava até bem recentemente o saudoso Abujamra - mas antes: "quando a tecnologia e o conforto material serão para todos?" … Sem Deus, a grande ambição humana passa ser o acesso aos bens de consumo e o registro exaustivo de suas "experiências" sejam elas psicodélicas, intelectuais, artísticas, gastronômicas, sexuais, espirituais, corporativas, internacionais… O humano, em sua interioridade, passa a ser sobretudo a frustração de não participar desse "Admirável Mundo Novo" - que, aliás, se afasta conscientemente do mundo cinza, cientificista e totalitário pintado por Aldous Huxley… - onde o valor continuamente agregado aos objetos de consumo pela tecnologia, pelo design e pela publicidade torna a existência um silenciar contínuo de qualquer voz que possa ter a Consciência. Não há certo ou errado e tampouco questões de consciência para quem a felicidade consiste em ostentar o novo iPhone XS | Apple‎… Tudo d'uma simplicidade espantosa quando se considera o ser humano em seu tédio e busca de reconhecimento. Afinal, qualquer coisa serve para adquirir celebridade ou ao menos fazer sentir o coração, ainda que seja atirar a esmo n'um cinema ou n'uma escola infantil. Somos bilhões e bilhões ordenados por aplicativos de celular, d'olhos vidrados nas telas azuis que nos bombardeiam com informações interessantíssimas enquanto nossos pensamentos aguardam n'um eterno estado de alheamento. Não pensamos, não sentimos, logo, não sofremos. Vamos morrer um dia, e dai? Façamos um meme idiota para trabalhar objetivamente nosso medo da morte, da dor e da solidão enquanto enchemos a cara de álcool e cannabis. É como diria mestre Alberto Caieiro: "Há Metafísica bastante em não se pensar em nada".
É isso.


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
25
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.